Planta medicinal, a bobosa é boa para a pele, os cabelos e também fortalece o sistema imunológico. Há muitos séculos que civilizações do mundo inteiro consomem a babosa. Suas propriedades curativas são cientificamente comprovadas.

Planta rica em minerais e vitaminas antioxidantes que evitam o envelhecimento das células. A babosa possui aminoácidos essenciais e secundários que regeneram e recuperam os tecidos, enzimas que atuam no processo digestivo acelerando o metabolismo, favorecendo a eliminação das toxinas e do colesterol. Outra substância, a acemannan, é capaz de ativar o sistema imunológico na defesa contra vírus, bactérias e a poluição ambiental.

A babosa também apresenta princípios ativos fitoterápicos que penetram na pele, hidratando e nutrindo. Seus componentes saponínicos e antraquinônicosagem como analgésico e antiinflamatório agindo em dores de coluna e em outras dores. Agentes alcalinizantes presentes na babosa provocam a normalização do PH, gerando um ótimo equilíbrio fisiológico celular.

A FDA (Food and Drug Administration, dos Estados Unidos) admite que o suco da babosa tem no máximo 50ppm de Aloin, pigmento amargo de cor amarela e brilhante que está presente na casca e que deve ser estabilizado para o uso oral e local. A estabilização significa que a babosa está livre de contaminação por bactérias, fungos e vírus, como conservantes naturais e antioxidantes para proteger sua cor e paladar.

Curiosidades

Na Índia, era chamada de cetro divino (as folhas apontam para o céu). Os chineses a chamam de Lu-Hui e a consideram boa para a saúde, longevidade e potência sexual. No Egito, em 1550 a.C., o papyrus ebers detalhava minuciosamente o valor medicinal da Aloe Vera. O herbário grego, Dioscorides (41-68 d.C.), afirma que a planta pode “induzir ao sono, fortificar o corpo, diminuir a barriga e limpar o estômago”.

Na Colômbia, é costume amarrar folhas de babosa nos pés e nas mãos de crianças para proteção contra mordidas de insetos. Tribos africanas, em epidemia de gripe, banhavam-se infusão de babosa para eliminar os germes. Caçadores esfregavam a babosa no corpo para disfarçar o odor da transpiração e passarem despercebidos pelos animais.