Engenheiros da Universidade de Illinois publicaram um artigo na revista científica Science sobre a criação de polímeros que “se curam”. A criação norte-americana pode ser útil para telas quebradas de celulares, por exemplo. Estes polímeros funcionam como a coagulação do sangue humano, com químicos “curativos” chegando ao local danificado através de capilaridades, ou seja, tubos bem finos por onde passam essa substância que se auto regenera.

Entre outros efeitos, os engenheiros responsáveis por esta criação esperam que no futuro estes polímeros façam coisas como a auto reparação de canos de água, capô de carros, satélites espaciais, chips eletrônicos, etc.

Por enquanto, este polímero consegue regenerar pequenas partes destruídas, avisam os engenheiros de Illinois. Para danos maiores, será necessário um sistema vascular mais complexo e interconectado para prover mais facilmente o químico auto-regenerativo.