Para que o sistema reprodutivo de homens e mulheres funcione bem, é necessário equilíbrio hormonal e desempenho adequado dos órgãos reprodutores. No entanto, o uso de drogas, desde maconha até ecstasy, pode comprometer a fertilidade, resultando na dificuldade para engravidar.

De acordo com o Dr. Renato de Oliveira, ginecologista responsável pela área de reprodução humana da Criogênesis, cada uma dessas substâncias tem seus efeitos e prejuízos em particular.

“As drogas são responsáveis por muitos casos de infertilidade”, comenta. O especialista explica que esses resultados não consistem apenas para o uso de drogas mais agressivas, como a cocaína, a heroína e o ecstasy, mas também para a maconha, o tabaco, o álcool, os anabolizantes e até mesmo o uso de medicamentos prescritos, como antidepressivos, anti-inflamatórios e remédios para pressão alta.

“A diferença entre o remédio e a droga é a dose. A influência prejudicial da maconha no sêmen, por exemplo, justifica muitos casos de infertilidade por fator masculino. Além disso, a ovulação feminina e a qualidade dos seus gametas podem sofrer influência pelas drogas”, alerta o especialista.

Dr. Renato ainda ressalta que cada caso deve ser analisado por um profissional para preservar e auxiliar o melhor tratamento, caso a perda de fertilidade seja irreversível. “Em grande parte dos casos, o quadro de infertilidade é reversível. No entanto, aqueles que perderam a fertilidade e desejam ter filhos, podem recorrer às técnicas de reprodução, como a fertilização in vitro e a inseminação artificial”, aconselha o Dr. Renato.

Como cada substância atua no sistema reprodutor masculino e feminino:

Maconha
Afeta o sistema reprodutor de seus usuários e reduz a quantidade de espermatozoides e o volume de sêmen. Quando depositados na cavidade uterina, os espermatozoides tendem a perder força antes mesmo de se aproximar do óvulo, resultando na incapacidade de fecundação. Nas mulheres, diminui a libido a produção hormonal alterando o número e qualidade dos óvulo.

Cocaína, heroína, crack e ecstasy
Podem levar à danos importantes a infertilidade, se usadas por tempo prolongado. Em mulheres, as drogas podem resultar em disfunção ovulatória, irregularidades menstruais e diminuir a reserva ovariana, comprometendo seriamente a capacidade de engravidar. Nos homens, costumam reduzir a libido e aumentar o número de espermatozoides defeituosos.

Anabolizantes
Outra droga que pode afetar a fertilidade permanentemente. Além da disfunção erétil e da atrofia dos testículos, o uso de anabolizantes pode diminuir a produção de sêmen e aumentar a quantidade de espermatozoides defeituosos. Nas mulheres, além de ganhar traços masculinos, os esteroides podem interferir na ovulação e interromper a menstruação.

Álcool
Nos homens, o álcool reduz os níveis de testosterona, bem como a qualidade e a quantidade do espermatozoide. Isso acontece porque as células produtoras de testosterona atrofiam e há uma diminuição dos hormônios masculinos. Além disso, pode afetar o desejo sexual e levar o indivíduo à impotência por danos causados nos nervos ligados a ereção. Já nas mulheres, o álcool pode dificultar a produção hormonal feminina, alterar a libido, interferir na ovulação ou na qualidade dos gametas.