Momento tão especial na vida de uma mulher, a gestação também pode se tornar um período de incertezas e dúvidas, principalmente para as mamães de primeira viagem. No entanto, quem está nesta situação não precisa se preocupar tanto assim. É possível buscar as informações necessárias sobre toda a gravidez, o parto e os primeiros cuidados com o bebê com os médicos durante o pré-natal. Ainda há opção de cursos especiais para pais, oferecidos por hospitais, convênios médicos e lojas infantis.

Os cursos foram feitos para ajudar na preparação dos casais para a chegada do filho, o que dá mais segurança para encarar todo o processo. As dúvidas são inúmeras e os participantes aproveitam as aulas para aprender e também desmistificar alguns “ensinamentos” repassados de geração para geração. Por isso, os instrutores indicam a participação não apenas das gestantes, mas também dos futuros papais e de familiares.

A enfermeira obstétrica Simone Rocco, com experiência de duas décadas, é uma das integrantes do curso para pais promovido pela loja Xiquita há oito anos. Ela conta que entre os conhecimentos repassados estão as mudanças na vida da mulher e do casal com a gestação e a chegada do filho; a preparação para a amamentação; como criar a rotina de alimentação e sono para os bebês; como interpretar o choro; e diferentes modalidades de banho.

Os pais ainda aprendem técnicas de massagem, como a chantala, que ajudam na estimulação do sistema imunológico da criança, além de estreitar os laços afetivos. “Os pais também têm aula com um médico pediatra, que explica a importância da visita regular no consultório médico, e com um odontopediatra, que fala sobre saúde bucal e o uso da chupeta”, explica Simone. São repassadas ainda orientações de primeiros socorros.

De acordo com Simone, a maior parte do público do curso é de mamães de primeira viagem, mas também há mulheres que estão na segunda ou terceira gestação. “São mães que já tiveram seus filhos e não querem cometer os mesmos erros”, comenta. Este foi o caso da empresária Patrícia Fressato Esteves, que fez o curso durante a gravidez da segunda filha. Ela não passou por uma capacitação como esta na primeira gestação. “A gente sempre acha que sabe tudo, mas durante o curso percebe que existem coisas que você não sabe. Procurei o curso para ter uma noção boa para fazer o melhor”, revela. Patrícia garante que valeu muito a pena receber estas informações, que estão ajudando no dia a dia.

Simone ainda revela que este tipo de curso também é indicado para as vovós, que muitas vezes ajudam nos cuidados das crianças enquanto os pais trabalham ou saem para outras atividades. “Casais que vêm para o curso também pagam para as duas vovós e assim padronizam os cuidados com os bebês. Desta maneira, os “pitacos” são minimizados. É preciso muito jogo de cintura porque as vovós podem alegar que criaram os filhos e sabem o que fazem ou que orientam, mas nem sempre o que fizeram foi o melhor”, avalia.

Curso presencial é a melhor opção

Os especialistas garantem que é melhor buscar informações com os médicos ou em cursos para gestantes do que simplesmente fazer a pesquisa na internet. “Esta é a pior maneira possível de pegar informações porque elas estão distribuídas aleatoriamente e é difícil filtrar”, aponta Wagner Dias, coordenador do programa Mãe Curitibana, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde. Ele ressalta que a gestante que recebe estas informações se prepara melho,r, o que impacta diretamente em todo o processo de gestação e do trabalho de parto.

A rede municipal disponibiliza reuniões mensais com médicos e especialistas para ajudar a mulher durante a gestação. Os agendamentos são feitos pelas unidades básicas de saúde, que também encaminham as gestantes para visitas nas maternidades onde farão o parto. As futuras mamães também recebem informações de como será a rotina durante o tempo que ficar no hospital. “Cada gestor da unidade faz reuniões mensais ou a cada dois meses para tirar as dúvidas das gestantes, como o aleitamento materno. Os hospitais também promovem cursos e estas reuniões”, salienta Dias.

Apesar da oferta, nem sempre as vagas disponíveis são preenchidas. Parte dos cursos acontece no período da tarde, mas algumas instituições já fazem edições noturnas para atender os pais que trabalham durante o dia. De acordo com Dias, existem muitos tabus a serem quebrados sobre a gravidez e os cuidados com o bebê. “Ainda existem mulheres que acham que não podem lavar o cabelo por 40 dias após o nascimento do bebê”, exemplifica. “Há ainda muitos tabus, principalmente em relação à amamentação e à alimentação”, declara.