Otimização do tempo, flexibilidade de horários e melhor ambiente para concentração. Estes são alguns dos benefícios apontados pelos profissionais que praticam o home office, ou trabalho em casa. A prática ainda vem ganhando espaço no país, mas muitas empresas já adotaram o trabalho remoto entre seus colaboradores, trazendo um novo modelo de relação entre corporações e profissionais.

“A produtividade inteligente é importante, mas não se pensa muito nisso. É uma diferença de cultura, os brasileiros trabalham mais. Enquanto o resto do mundo trabalha entre 9h e 17h, o brasileiro trabalha de 8h às 20h”, avalia a coach Ana Artigas, que destaca a importância de trabalhar “mais smart e menos hard”. “Hoje se trabalha muito pesado, mas com pouca produtividade e inteligência”, diz.

Mas esta é uma situação que está em fase de mudança. Pesquisa da empresa de recrutamento Robert Half mostra que o Brasil é o terceiro país onde o trabalho remoto mais aumentou. Nosso país está atrás da China e de Singapura. “É um tema ainda muito polêmico no Brasil, mas as pesquisas mostram a evolução no comportamento do profissional em casa como também do corpo diretivo”, avalia a porta-voz da empresa, Ana Guimarães. Ela acredita que o tema está passando por uma conscientização cultural, uma vez que o trabalho remoto é benéfico. “Está cada vez mais frequente”, observa.

Otimizado

A própria coach Ana optou pelo trabalho em casa e conta que o resultado tem sido ótimo, já que no escritório a movimentação do ambiente prejudica a concentração e o rendimento. “A gente rende mais fora do escritório, onde o telefone toca, entra gente na sala, te interrompem ou ainda você faz uma pausa pro café. Em casa, às vezes, em quatro ou cinco horas você rende o tempo todo que passaria na empresa”, argumenta.

Entre as mulheres, o home office pode ser uma boa alternativa para aliar as atividades profissionais e domésticas, que podem atender os filhos e organizar a casa. “Se, por exemplo, o filho está com febre e a mulher está no escritório, ela fica 80% do tempo pensando no que está acontecendo em casa, ou seja, o tempo é menos produtivo. Mas se ela está em casa e vê que o filho está bem, ela produz melhor e sem culpa de estar fora de casa”, afirma Ana.

Organização é regra!

Allan Costa Pinto

Não há restrição para profissões que podem trabalhar em casa, o que é possível a consultores, profissionais liberais ou quem produz artesanato, entre outros ramos de atuação. O importante é priorizar a organização da atividade e gerenciar adequadamente o tempo disponível.

Um dos principais erros de quem faz o trabalho remoto é a falta de planejamento da atividade do dia, dica número um da personal organizer da Benfatto Organiza, Irene Loureiro. “Quem trabalha em casa tem que definir o horário de cada atividade, senão perde a noção de que horas vai trabalhar e fazer as outras coisas. O ideal é fazer a agenda do dia seguinte antes de dormir”, orienta. Outra dica da personal organizer é, além de ter um local específico para o trabalho, ter todos os materiais que precisa, como computador, impressora, linha telefônica, acesso à internet e material de escritório.

A falta de planejamento das tarefas pode causar um trabalho contínuo, sem intervalo, ou a mistura de tudo o que é preciso fazer. “Esse é um erro que eu mesma me deixo cair, fico empolgada, e estendo o trabalho até o horário da noite. É uma situação que eu vejo rapidamente que está errada, mas muita gente não percebe e não equilibra as horas de trabalho e de família”, diz ela, que também trabalha em casa, perto do filho pré-adolescente. Quando o garoto era mais novo, Irene criou um código para mostrar a ele que não era hora de conversa, mas sim de trabalho. “Fazia um sinal pra ele entender que tinha que ficar quieto no momento”, lembra.

Reservado

Quando está em um momento de concentração, a cerimonial Milene Szaikowski, 33, fecha a porta do seu escritório em casa. O espaço foi criado especialmente para o trabalho e pegou parte da área da sala, que tinha 35 m2 e foi dividida, ganhando uma decoração especial, inspirada nos casamentos que organiza. No espaço próprio, ela concentra todos os materiais que utiliza nos atendimentos e não deixa coisas espalhadas pela casa. “Isso ajuda a me policiar. Depois que eu fecho a porta e saio dali, acabou o trabalho”, afirma. E quando continua com o trabalho noite à dentro, Milene estabeleceu regras para o atendimento a suas clientes. Ela não atende o telefone fixo de sua empresa depois das 19h30, nem nos finais de semana.

A cerimonial já compartilhou escritório com uma amiga, mas prefere o trabalho em casa, que permite que ela utilize seu horário mais produtivo, a madrugada. “Fico mais livre durante o dia. Trabalho por metas, então consigo fazer outras coisas, como ir à novena no meio da tarde ou fazer pesquisas na biblioteca”, conta.