Como vocês devem ter acompanhado, em maio, realizamos o concurso cultural Mês das Mães da Tribuna, com o objetivo de dar oportunidade aos nossos leitores de fazer uma grande homenagem a suas mães. Ao todo, durante o período em que a promoção esteve em aberto, recebemos 1783 cupons de leitores com frases enaltecendo qualidades de suas mães para concorrer aos prêmios. Destes, cinco foram escolhidos como vencedores.

Com isso, cinco mães foram contempladas com serviços para uma transformação visual completa, além de uma cesta de produtos de beleza par cada. Além disso, a frase do primeiro colocado também dava direito a uma motocicleta 0km. A grande vencedora foi Adelina Ramson, 84 anos. Ela é avó de Laudemir Drawanz Ramson, 35, o leitor da Tribuna que teve sua frase escolhida para o primeiro lugar deste concurso cultural, mas criou-o como se fosse seu filho, pois a mãe de Laudemir faleceu logo que ele nasceu.

“Minha mãe morreu devido a complicações no meu parto. Dois meses depois, foi meu pai quem faleceu. Então, sempre tive apenas minha avó paterna, principalmente porque a família da minha mãe me culpava por ela ter morrido”, conta Laudemir. Apesar de toda essa tragédia pessoal e familiar, nada impediu que ele tivesse uma vida normal e saudável, graças aos esforços de Adelina. Para ela, ele é como se fosse o oitavo filho, além dos sete biológicos, incluindo o pai de Laudemir.

Ela agradece todos os dias por ele ter se tornado um rapaz bom e estudioso. “A única coisa que eu podia dar para ele era o estudo e, por isso, fiz questão que ele tivesse um ótimo ensino. E isso deu muito certo. Fico muito feliz que ele esteja no rumo certo, com um bom emprego”, comenta a avó. A educação que Adelina fez questão de dar ao neto, no entanto, também foi motivo para a separação deles. Laudemir veio a Curitiba em busca de emprego, mas a família continua no interior do Rio Grande do Sul.

Arquivo Pessoal
Adelina no Rio Grande do Sul.

Por isso, eles se veem muito pouco. “Não gosto nem de pensar muito que ele está longe porque tenho muita saudade”, confessa Adelina. Em seu trabalho como técnico em um laboratório de eletrônica, ele tem poucas folgas mais longas para viajar. Por este motivo, nem conseguiu visitá-la no Dia das Mães. Por sua vez, Adelina já está com a saúde debilitada e também não pode vir a Curitiba. Até por isso, quem recebeu a motocicleta foi o próprio Laudemir e não ela.

A transformação visual também não foi possível devido a esta questão, mas Laudemir já está se programando para entregar os produtos de beleza pessoalmente a avó. “Estou pensando em ir pra lá em agosto, que é aniversário dela. Então, posso entregar os brindes”, comenta. Aliás, esta não foi a primeira vez que Laudemir venceu um concurso para homenagear a avó como mãe. “Já ganhei várias promoções. Até já fomos no programa do Gugu uma vez”.

Demais vencedoras

Apesar de Adelina não conseguir vir para Curitiba para receber a transformação visual a que tinha direito, as demais mães contempladas desfrutaram, cada uma, de uma tarde de rainha. Para a segunda colocada, a professora Elis Regina Carnero, 41, a homenagem, feita pela filha Mayara, 16, foi surpresa. “Eu até tinha visto uns papéis em cima da mesa, mas não sabia do que se tratava. Mas é muito bom, você percebe que, por um lado, tem seu valor”, comenta.

Para poder receber o prêmio e ter a transformação visual dada pela Tribuna, a terceira colocada, a também professora Vera Regina de Oliveira, 56 anos, teve até que pedir uma folga no trabalho, mas garante qu,e valeu a pena. “Ainda bem que hoje não teve aula. Como era só capacitação dos professores, fui para a escola de manhã e pedi licença à tarde para poder vir”, conta. A filha, Beatriz Carolina Reucher, 27, foi a responsável pela participação no concurso.

Já a pastora e dona de casa Rosa Maria Barreto Correia, 36, quarta colocada, afirma que ser vencedora deste concurso serviu para acreditar mais em promoções. “A gente nunca acha que vai ganhar. Por isso, nunca tinha participado. Logo na primeira vez, ganhei”, destaca. A filha, Alana Roberta Resende, 16, também agradece. “Quem é menor e não trabalha não tem como dar presente. Queria dar alguma coisa a ela sem pedir para o meu pai e deu certo”.

Acompanhe!

Ainda falta mostrarmos a transformação da Marilita Aparecida Bettamin, a mãe de João Pedro Esteves Slongo, classificado em 5º lugar no concurso cultural Mês das Mães da Tribuna! Em breve, publicaremos as fotos de mais esta mãe, completamente produzida com os prêmios da promoção. Aguarde e confira!