O cuidado com o corpo deixou de ser prerrogativa de modelos e misses e passou a ser adotado pela maioria da população. Dos cabelos aos pés, o arsenal de produtos e a variedade de procedimentos que vem sendo colocados à disposição da população realmente impressiona. Desde as receitas caseiras de base fitoterápica até os cosmecêuticos nos quais princípios físicos e químicos são explorados com efetiva e testada base científico-tecnológica.

1) Clareamento dental: a conhecida (e temerária !) prática caseira de “espumar” água oxigenada sobre os dentes com o auxílio de bicarbonato (levemente alcalino) ou suco de limão (razoavelmente ácido) somada a uma fricção enérgica com a escova dental causa a liberação do oxigênio nascente e suas espécies reativas (o peróxido de hidrogênio, em decomposição, regenera água e gera oxigênio) o qual oxida os pigmentos depositados ou incrustados na camada mais externa dos dentes (esmalte). Os expedientes mais modernos são o peróxido de carbamida até 22% em carbopol (polímero com o qual também se fabrica o álcool-gel de uso caseiro), a água oxigenada ou peróxido de hidrogênio até 35% e ainda a aplicação de laser. São particularmente eficientes para a limpeza e alvejamento da arcada dentária de ex-fumantes. Géis de clareamento contendo teores muito elevados de oxidante e/ou o abuso da freqüência de uso podem provocar “queimaduras” nas gengivas, língua e mucosa oral (daí o uso de moldeiras plásticas ou outros peças de contenção e envolvimento dos dentes para limitar a ação a estes apenas).

2) Remoção de acne e suas lesões cicatriciais: uma das inovações é a aplicação de uma solução de até 20% ácido delta-aminolevulínico (ALA), seguida de fotoexposição a um feixe de luz de comprimento determinado. A técnica é designada de terapia fotodinâmica [1] e o mecanismo envolvido é uma fotosensibilização do tecido dérmico a ser destruído e consequentemente esfoliado. Aplicável também ceratoses actínicas e carcinomas basocelulares superficiais. O ALA é um metabólito natural do corpo humano; é o precursor do anel designado de heme e que aloja o ferro do pigmento sanguíneo hemoglobina. É um tipo de peeling (“descascamento”) circunscrito.

3) Reversão de rugas: o enrugamento da pele é uma conseqüência da contração muscular. Antes um veneno assustador oculto em latas de salsichas estufadas, a toxina botulínica ou popularmente botox (produzida por uma clostrídio-bactéria) é a injeção de moda para o relaxamento tissular facial e portanto para a reversão de rugas, procedimento tecnicamente chamado de ritidectomia. O efeito já aparece a partir de um par de dias e perdura por até meio ano. A botox bloqueia a liberação de acetilcolina, um mediador neural cuja ação é justamente provocar a contração muscular. A botox igualmente pode ser empregada na correção de distonias (“tiques nervosos”), torcicolos e até para alívio da enxaqueca.

4) Remodelação dos seios e nádegas: o maior diferencial anátomo-morfo-fisiológico visualmente perceptível entre os dois sexos são, aparentemente, os seios da mulher. Por duas razões diametralmente opostas a cirurgia plástica da mama tem experimentado crescimento exponencial. Por uma, a altamente indicada reconstrução da forma após cirurgias extirpatórias parciais ou totais aplicadas em tumores de mama (mastectomias). Por outra, o desejo de mudança para fim estético como nos casos de hipomastia (seios pequenos) ou de elevação (seios caídos). Em ambas situações, a silicone tem aplicação mais freqüente na forma de gel (cápsula revestida), existindo também a injeção da forma líquida. Os implantes à base de silicone foram pioneiramente explorados a partir de 1962, na Baylor University do Texas por Thomas Cronin e Frank Gerow. Somente oito anos depois, F.L. Ashley introduziu a prótese revestida de poliuretano.

Para cirurgias bem conduzidas e monitoradas no pós-operatório as complicações como a fibrose pericapsular , com a assimetria entre o seio esquerdo e direito e outros eventos indesejáveis se reduzem a apenas uns 2 ou 3% dos casos, segundo dados da Clínica Cirulaser Andes. A vida média de um implante hoje já excede uma década posto que o envoltório se constitui de duas camadas de revestimento. O implante sempre é fixado abaixo da glândula mamária, o que não impedirá a amamentação. A falácia de que as próteses oferecem risco de explosão durante viagens de avião está desmentida in loco: há um número elevado de aeromoças que aderiram, sem inconvenientes, à prática de voluminização de seios (fato mais comum e discretamente observado por passageiros masculinos). O aumento e/ou arredondamento das nádegas é uma extensão mais recente da aplicação de silicone aos seios. Um bom argumento da inocuidade do silicone quando internalizado no organismo humano, segundo o cirurgião-plástico Gláucio Farina, é que as seringas plásticas descartáveis são lubrificadas com silicone.

[1] R.M. Bakos et al. An. Bras. Dermatol.Rio de Janeiro

Nota: para atendimento da necessidades cirúrgicas e/ou estéticas do(a) leitor(a) é conveniente consultar o profissional indicado de cada área (médico, cirurgião-dentista, farmacêutico, dentre outros).

José Domingos Fontana (jfontana@ufpr.br) é professor emérito da UFPR, orientador na pós-graduação em Ciências Farmacêuticas, 11.º Prêmio Paranaense em C&T e Pesquisador 1A do CNPq.