Foto: Aliocha Mauricio

Todos os três consoles de nova geração já podem ser encontrados nas lojas brasileiras.

O mercado mundial de videogames movimenta hoje cerca de US$ 30 bilhões anualmente e se consolidou como um dos principais ramos do entretenimento, rivalizando com as indústrias cinematográfica e fonográfica. A disputa por este bolo é acirrada, com lançamentos cada vez mais freqüentes e mais investimentos das empresas. No meio desse fogo cruzado está o consumidor, que fica até desorientado no meio de dados técnicos, publicidade e diversos serviços oferecidos pelas empresas.

Hoje, o mercado conta com três participantes principais: Sony (com o Playstation 3), Nintendo (com o Wii) e Microsoft (com o Xbox 360). Cada um com suas vantagens e desvantagens que, muitas vezes, confudem o comprador.

Entre os indecisos estão pessoas como o analista de sistemas Aurélio Hikoh Suguimati. Ele vendeu seu Playstation 2, da Sony, com planos para adquirir um console da nova geração. No entanto, a indecisão acabou adiando o projeto. ?Eu estava muito tentado a comprar o Wii, principalmente porque para mim videogame é diversão. Mas na última hora fiquei em dúvida por conta dos preços e o dinheiro acabou indo para outra coisa?, diz. Aurélio considera que não é ?viciado?, já que joga, em média, apenas cinco horas por semana. ?Prefiro simuladores e jogos que se pode jogar junto, principalmente porque tenho um irmão em casa?, explica.

A indecisão também consumiu tempo do analista de hardware Adriano Martins Trancoso. Jogador experiente, ele fez uma comparação mais a fundo do Xbox 360 e do Wii, mas acabou optando pelo console da Microsoft. ?Pra mim era a opção mais acertada pela quantidade de jogos disponíveis e facilidade e bom preço para desbloqueio (veja ao lado)?, conta. A plataforma, inclusive, o fez ?abrir a cabeça? para novos modelos de games. ?Antes era muito aquela idéia de jogos japoneses, sempre aquilo. Hoje os novos títulos da plataforma estão bem mais interessantes?, disse. Além de jogador, Adriano é também colecionador de videogames. ?Tenho quase todos os consoles?, diz.

Antiga

Mas a escolha por uma determinada marca às vezes não encontra lugar na razão. No caso do baterista Diogo Fernandes, por exemplo, a paixão pela Nintendo é coisa antiga. ?Quando todos compravam o Playstation 2, lá estava eu com o meu GameCube (antigo console da fabricante japonesa)?. Para ele, o lançamento de um console pela empresa é certeza de compra. Porém, desta vez, o Wii trouxe uma experiência nova principalmente em casa. ?É incrível porque você está jogando na sala e todos os que passam não têm como não reparar. Uma vez peguei meu pai e minha mãe jogando! Estamos no ponto que ela pediu um de presente?, ri. A maior vantagem do console, segundo ele, é atrair para os videogames pessoas que nunca jogaram. ?Eu estou num ponto que não tenho paciência para jogar sozinho. Se não reúno a galera, não tem graça. Com o Wii, fica ainda mais fácil arranjar com quem jogar?, revela.

Desbloqueio impede acesso a multiplayer

Prática corrente quando se fala em Playstation 2, o chamado desbloqueio, que permite rodar jogos pirateados, não é recomendável nos consoles da nova geração. A orientação serve principalmente para quem pretende entrar nas redes organizadas pelas empresas e jogar on-line contra outros usuários (multiplayer), baixar conteúdo etc.

A Microsoft foi uma das primeiras a organizar um combate aos videogames modificados na rede do Xbox 360, a XboxLive. Uma demonstração do jogo Halo 3 foi a isca que levou muitos usuários a serem banidos para sempre, através do código do processador.

A postura da Sony é semelhante. Segundo a empresa, os usuários que fizerem mau uso da rede, sem especificação de qual seria a infração, serão banidos e só poderão ganhar acesso novamente se comprarem outro aparelho. Já a Nintendo ainda não se pronunciou oficialmente quanto ao acesso de consoles modificados na rede do Wii. (FK)

Diversão segmentada

Tirando as questões ?afetivas? da discussão, o mercado de videogames hoje está mais segmentado. Com a chegada do Wii, as pessoas que gostam de jogar, mas não têm paciência para muitas fases e complicações, encontraram um refúgio. Além da interatividade, que permite utilizar o controle como se fosse uma raquete de tênis ou espada, por exemplo, o usuário encontra um sistema barato e sem muitas preocupações adicionais.

Já para o mercado de jogadores avançados, as opções são o Xbox 360 e o Playstation 3. Nesse segmento, há ligeira vantagem para o console da Microsoft, que foi lançado no Brasil em novembro do ano passado. Lucrando com o atraso no lançamento de seu concorrente direto da Sony, o Xbox conta hoje com uma variedade maior de jogos que, com lançamentos nacionais, estão mais baratos para o consumidor. O sucesso só não foi maior pelo preço salgado do kit oficial: R$ 2.499, que sofreu redução no preço esta semana.

Para o consumidor brasileiro, o Playstation 3 ainda está saindo com um preço alto em comparação aos outros dois consoles. A grande quantidade de recursos adicionais (leitor blue-ray e wireless) e o hardware potente encareceram o produto, que hoje patina nas vendas em comparação ao seu antecessor, o Playstation 2. Outro problema é a já sinalizada intenção da Sony de não lançar o console no Brasil, o que encarece jogos e acessórios. (FK)