O Centro de Lançamentos de Alcântara, no Maranhão, já está na fase final dos preparativos para o lançamento do foguete VSB 30, de 12 metros de comprimento, previsto para a próxima quarta-feira (11) como parte da Operação Cumã II, nome dado em homenagem a uma baía próxima à região do lançamento.

Será um vôo de 20 minutos, que atingirá a altitude de aproximadamente 280 quilômetros, destinado a colher experiências científicas quanto ao comportamento de elementos e substâncias em ambiente de reduzida gravidade.

"Na medida em que se atinge uma altitude dessa natureza a gravidade torna-se diminuta, e isso permite a aferição de resultados científicos em situações fora da rotina, mas muito úteis para o progresso da ciência", explica o tenente-coronel Fausto Barbosa, comandante responsável pelo lançamento.

Ao atingir o ponto mais alto do vôo, o foguete ficará numa posição de quase inércia, durante pouco mais de 6 minutos, quando estará pendendo para o sentido horizontal, para em seguida voltar à Terra, onde deverá ser resgatado no mar, por questão de segurança. Será nesse tempo que ocorrerá o colhimento das experimentações, que vão ser acessadas por meio de gravações internas e de monitoramento terrestre, de acordo com o comandante.

Vão ser feitas nove experiências nas áreas de biotecnologia, engenharia, física, nanotecnologia e medicina, das quais participam universidades e institutos de pesquisa, que ajudam a custear a missão.

O VSB 30 realizou o primeiro vôo em 2004, mas apenas a título de experiência. Depois disso, outros dois vôos da mesma natureza foram realizados, na Suécia, por meio de foguetes fabricados no Brasil. São utilizados dois motores nesses foguetes, que revezam a propulsão durante o trajeto. O veículo espacial foi realizado em parceria do Instituto de Aeronáutica e Espaço, do Centro Tecnológico Aeronáutico (CTA), com a Agência Espacial Alemã, com apoio do Ministério de Ciência e Tecnologia e da Agência Espacial Brasileira (AEB).

O custo do foguete, em toda a sua estrutura e no que se refere ao combustível utilizado, foi de 900 mil euros, sendo que a despesa total da experiência só será levantada ao final da operação, considerando que uma série de aparatos correm por conta das organizações participantes do projeto.