Pesquisadores descobriram sete sítios arqueológicos de dois povos indígenas que viveram entre mil e dois mil anos atrás na zona rural de Olímpia, no interior de São Paulo. Mais de três mil peças das tribos tupi-guarani e uru foram resgatadas após 40 dias de escavações em áreas que serão usadas por uma usina para expansão da lavoura de cana-de-açúcar.

Entre as peças encontradas predominam fragmentos de potes de barro e ferramentas de pedra lascada, especialmente lâminas de machado em pedra polida. Outras importantes peças resgatadas inteiras são as tembetás, espécie de piercing que os índios usavam no queixo, segundo a arqueóloga Camila Azevedo Moraes, uma das coordenadoras do estudo. "Raramente alguém consegue resgatá-las ainda inteiras", explicou.

Os materiais vão agora para limpeza e depois serão catalogados. Amostras serão enviadas para datação com carbono 14 nos Estados Unidos e por meio de cerâmica no Brasil. Posteriormente, eles serão enviados para a coleção do museu Voluntários da Pátria, em Araraquara. Antes, os pesquisadores deverão fazer um levantamento histórico e cultural para apurar as características da vida dos índios.

Segundo o arqueólogo Paulo Zanettini, responsável pelo trabalho, a descoberta vai ajudar a reconstituir o patrimônio histórico-cultural do interior do Estado de São Paulo, onde muitos sítios indígenas ainda estão por ser explorados. De acordo com Zanettini, se as áreas desses sítios localizados fossem exploradas por mais cinco ou seis safras de plantação de cana, dificilmente seria possível resgatar os objetos.