A GVT lançou cinco novas histórias em quadrinhos para promover o uso responsável da internet. A iniciativa cria novas ferramentas de esclarecimento no momento em que boa parte das escolas do país está sem aula por conta do risco de contaminação pelo vírus H1N1 e, consequentemente, os estudantes acabam ficando mais tempo conectados à web. As tirinhas abordam temas como formas de denunciar conteúdos impróprios e a importância do uso ético de blogs e redes sociais. O material está disponível no site da campanha (http://www.internetresponsavel.com.br) para download e pode ser objeto de atividades pedagógicas propostas pelos professores.

“A idéia é trabalhar casos reais com linguagem acessível ao público jovem mostrando as atitudes mais adequadas para cada situação enfrentada”, afirma a gerente de Comunicação Corporativa da GVT, Tatiana Weinheber.

A primeira história, intitulada “He-Man”, fala do risco de encontrar conteúdos impróprios na rede a partir de palavras aparentemente inocentes como o nome de um herói de desenho animado. Neste caso, o personagem principal se depara com um vídeo pornográfico, aciona o pai para resolver o que fazer e decide com ele usar os canais formais para uma denúncia. Hoje, o Brasil é o quarto país em usuários do YouTube que já fornece meios próprios para denunciar o mau uso.

Na história “Em tempo real”, novas mídias online, como blogs e o Twitter, são apresentadas como ferramentas que podem ajudar as pessoas profissionalmente quando adotadas para divulgar informações relevantes e inteligentes. Em “Perseguição”, é destacado o cuidado de só adicionar às comunidades pessoas conhecidas para evitar perseguições e exposição de informações particulares a desconhecidos. De acordo com um levantamento da ComScore, cerca de 85% dos internautas brasileiros acessaram pelo menos uma rede social em 2008.

A inciativa faz parte do projeto de responsabilidade social da empresa Educando GVT que existe desde 2001 e promove a disseminação do uso responsável da internet. A empresa desenvolve material didático sobre o tema por meio do site http://www.internetresponsavel.com.br e pelo blog http://www.postdobem.com.br além de manter um grupo de funcionários voluntários que discutem o assunto na rede pública e particular de ensino.