O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (Critical Ecosystem Partnership Fund CEPF, em inglês) vai liberar R$ 1,2 milhão para o estudo de espécies da Mata Atlântica brasileira ameaçadas de extinção. Os recursos serão repassados aos cientistas por intermédio do Programa Espécies Ameaçadas lançado na semana passada por uma parceria entre a Fundação Biodiversitas e o Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste. Segundo Gláucia Drummond, coordenadora executiva do programa pela Biodiversitas, o grande objetivo da ação é identificar iniciativas estruturadas cientificamente. “Sabemos que a falta de recursos é a maior dificuldade entre os pesquisadores brasileiros. Muitas vezes, ótimos projetos acabam sendo engavetados por falta de dinheiro”, disse.