Um verdadeiro modelo biológico molecular para todas as gramíneas. O mapa genômico completo do arroz acaba de ser publicado pela revista Nature na edição de quinta-feira. Trata-se do primeiro artigo científico sobre as conclusões obtidas por um consórcio de dez países, anunciadas em congresso no fim do ano passado, no Japão. O Brasil é um deles.

"Participamos em conjunto com os japoneses. Nós seqüenciamos uma fração de um dos cromossomos do arroz", disse Paulo Zimmer, do Centro de Genômica e Fitomelhoramento da Universidade Federal de Pelotas. Outros quatro pesquisadores, também do Rio Grande do Sul, assinam o artigo ao lado de dezenas de cientistas de diversos países.

Nos 12 cromossomos da espécie Oryza sativa, subespécie japonica, os pesquisadores identificaram 400 milhões de bases de DNA e 37.544 genes. "Esse é ao mesmo tempo um genoma pequeno, mas que serve muito bem como um bom modelo", explica Zimmer.

Segundo o pesquisador, a evolução simultânea do genoma do arroz e de espécies como milho, trigo, cevada, aveia e centeio, ao longo de milhões de anos, poderá facilitar o trabalho para todos esses vegetais a partir de agora. "Em alguns casos, as informações do arroz poderão ser usadas para outras espécies. Hoje, por causa do tamanho dos genomas, seria impossível seqüenciar as demais espécies", afirma Zimmer.

O artigo completo pode ser lido no site www.nature.com.