Montevidéu – Cientistas uruguaios descobriram restos fósseis de um roedor gigante, provavelmente o maior do mundo encontrado até agora, no litoral da região de Colônia (177 quilômetros a oeste de Montevidéu).

Batizado como "josephoartigas monesi", em homenagem ao político e herói nacional José Artigas e ao paleontólogo Alvaro Mones, o roedor gigante viveu há cerca de 4 milhões de anos e estima-se que pesava mais de uma tonelada. Os restos fósseis foram encontrados pelo paleontólogo amador Sergio Viera.

"[O animal] é mais parecido com uma capivara que com um rato, é rechonchudo e com patas e rabo curtos. O parente vivo mais próximo é um roedor selvagem sul-americano, o Takarana, que pesa dez quilos", explicou o físico Ernesto Blanco à imprensa local.

O crânio do animal, de 53 centímetros, foi encontrado em perfeito estado de conservação e acredita-se que sua alimentação se limitava a vegetais tenros, frutas e plantas aquáticas.

Seu peso foi estimado entre 468 quilos e 2,5 toneladas, mas é mais provável que pesasse por volta de uma tonelada. Atualmente, o maior roedor do mundo é a capivara, que pode alcançar os 60 quilos.

Os resultados da pesquisa em torno à descoberta do fóssil no Uruguai foram publicados na revista britânica Proceedings of the Royal Society.