Pense bem antes de sair por aí mostrando a playlist do seu MP3 Player: de acordo com uma pesquisa feita pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, a música que você ouve pode acabar fazendo com que você seja taxado de chato, sem graça ou pouco atraente.

O estudo confirmou que as pessoas fazem suposições sobre a personalidade e valores dos outros com base nas suas preferências musicais. Aqueles que gostam de música clássica são vistos como feios e tediosos, enquanto os roqueiros são considerados emocionalmente instáveis, e os fãs de pop são vistos como pessoas “genéricas”.

Jason Rentfrow, autor do estudo, afirma que examinar a lista de músicas de uma pessoa pode reforçar estereótipos e até mesmo preconceitos sociais. De acordo com Rentfrow, “a pesquisa sugere que, mesmo quando nossas suposições não são corretas, temos uma impressão muito forte quando perguntamos a uma pessoa que tipo de música ela gosta”, diz.

Os participantes da pesquisa responderam sobre o que achavam a respeito de seis tipos de gêneros musicais: rock, pop, clássica, jazz, rap e eletrônica. Os fãs de jazz receberam as considerações mais positivas: foram descritos como imaginativos, liberais, amigáveis e extrovertidos. Os que preferem a música clássica foram percebidos como quietos, amigáveis, responsáveis e inteligentes, mas também pouco atraentes e tediosos.

Aqueles que gostam de rock são considerados rebeldes, irresponsáveis e emocionalmente instáveis, enquanto os fãs de pop são vistos como convencionais e calmos, mas também pouco inteligentes. Já quem gosta de rap é visto como atlético e mais hostil do que os outros fãs de música. Os amantes da música eletrônica, por sua vez, são considerados um pouco neuróticos.