O complexo deverá ser construído na
região da Barra Sul, primeira
estação dos bondinhos aéreos.

Camboriú Deverá receber, nos próximos três anos, investimentos de cerca de US$ 150 milhões em três grandes projetos do setor turístico. A informação foi dada pelo prefeito Rubens Spernau e pelo secretário de Turismo, Osmar Nunes Filho, durante o evento 8.ª BNT Mercosul, na semana passada. O mais importante deles, já aprovado, é a implantação do Complexo Turístico Costão do Santinho Resort e Marina, que estará localizado na Barra Sul e faz parte de um projeto nacional de ampliação do turismo náutico na costa brasileira.

Balneário Camboriú (SC)

– Segundo Osmar Nunes Filho, o complexo, que inclui um resort, uma marina com capacidade para seiscentas embarcações e uma escola de navegação, ocupará uma área de 166 mil metros quadrados e deverá estar concluído no prazo de quatro a cinco anos. Somente este empreendimento representará um investimento de R$ 120 milhões, a partir de uma parceria com três empresas catarinenses do ramo turístico.

Outro projeto é a implantação de um centro de talassoterapia que utilizará água aquecida do mar, no complexo Recanto das Águas, região da Rodovia Interpraias. E o terceiro é o alargamento da faixa de areia da praia central de Balneário Camboriú, projeto que deverá consumir cerca de R$ 50 milhões.

Argentinos

Além de atrair investimentos no setor turístico, Balneário Camboriú pretende aumentar o fluxo de turistas. Nesta última temporada de verão, a cidade registrou uma queda brusca de visitantes, reflexo da crise econômica na Argentina. Os argentinos representaram 85% do fluxo de 450 mil turistas estrangeiros que a cidade recebeu na temporada de verão de 2000/2001. Eles correspondiam também a 35% do total de turistas no município.

De acordo com dados apresentados pelo secretário de Turismo, este ano (temporada 2001/2002), a cidade recebeu 106 mil visitantes estrangeiros. “Com a ausência dos argentinos, a cidade deixou de receber US$ 99 milhões) nesta temporada”, informou Nunes Filho. “Agora, vemos um fluxo contrário, o brasileiro está indo para a Argentina fazer turismo”, observou o prefeito Rubens Spernau.

Agora, a cidade investe também na divulgação turística em países como Chile, Portugal, Espanha, Bolívia, Paraguai e Uruguai a fim de compensar as perdas registradas com a ausência dos argentinos. Além disso, vai trabalhar intensivamente para conquistar o mercado nacional.

Além de ter sido um turista sempre presente na cidade, o argentino ampliava a temporada de verão já que as férias escolares naquele país costumam se estender por mais tempo que as do Brasil. A mudança no calendário escolar é uma das reivindicações do município, que pretende aumentar a permanência dos turistas até março. “Em janeiro, o fluxo é tão grande que não há hotel suficiente para atender a demanda”, conta o secretário de Turismo. Grupos da terceira idade têm sido um público frequente entre março e maio. Balneário conta hoje com vinte mil leitos na rede hoteleira, 150 casas (oito a nove mil leitos) para hospedagem de turistas e dez mil apartamentos que são locados no período de alta temporada. (Danielle de Sisti)