As viagens de negócios registraram aumento no número de bilhetes aéreos comercializados no primeiro semestre de 2002, com relação ao mesmo período do ano passado. A emissão de passagens aéreas nacionais saltou de 1.732.728, em 2001, para 1.918.884 este ano – um crescimento de 10,74%. No âmbito dos bilhetes internacionais, as emissões também cresceram – de 179.086, no ano passado, para 206.444 em 2002 – alta de 15,28%.

Expectativa

A expectativa para 2002 é fechar o ano com um faturamento próximo do verificado em 2001, que foi de R$ 3,081 bilhões.

Em faturamento, as vendas de passagens domésticas praticamente se mantiveram, com um crescimento em reais de 0,48% – sem descontar a inflação no período (o IGPM foi 9,99% nos últimos 12 meses).

O bilhete médio foi de R$ 350,54, contra R$ 386,35 no primeiro semestre de 2001. Para os bilhetes internacionais, houve uma queda de 10,58% em reais e 20,21% em dólares norte-americanos.

A passagem média caiu de R$ 3.546,88 (2001) para R$ 2.751,39 (2002).

O levantamento foi feito pelo Fórum das Agências de Viagens Especializadas em Contas Comerciais (Favecc), entidade que congrega as 26 maiores agências do País, responsáveis pela emissão de mais de 33% de todos os bilhetes aéreos emitidos no País e 67% do movimento do mercado nacional de viagens de negócios.

Não foram computados os dados da associada American Express.

Faturamento

“O faturamento total das agências associadas caiu 2,83%, em relação ao primeiro semestre de 2001, sobretudo pela retração econômica, alta do dólar e queda de 22,43% no valor médio do bilhete internacional.

A conjunção destes fatores obrigou as agências a enxugarem ainda mais seus custos”, informa Goiaci Guimarães, presidente da entidade. O faturamento de bilhetes internacionais representa 39,05% do movimento total das agências associadas.O levantamento também apontou a participação em venda de cada companhia aérea no mercado nacional e internacional.

No âmbito doméstico, a TAM deteve 46,58% do mercado, seguida pela Varig (25,47%), Rio Sul e Nordeste (19,89%), Vasp (5,67%) e Gol (1,21%). Nas emissões para o exterior, a Varig ficou com 40,83%, seguida pela American (8,92%), United (7,97%), TAM (6,02%) e Air France (4,77%).