Em janeiro de 2004, o Ministério do Turismo, por meio da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), dava início à estratégia de abertura de unidades avançadas de promoção do Brasil no exterior com a instalação do EBT (Escritório Brasileiro de Turismo) Portugal, em Lisboa. Na Europa, de lá para cá, França (Paris), Reino Unido (Londres), Alemanha (Frankfurt) e Itália (Milão) ganharam representações. Em parceria com a Federação Brasileira de Convention & Visitors Bureaux (FBC&VB), esses escritórios trabalham pela consolidação do Brasil como um destino internacional competitivo. Um ano e meio após o início dessa política, os EBTs conquistaram a confiança do mercado europeu, que vem apostando no País.

A companhia aérea portuguesa TAP, que opera atualmente quarenta vôos semanais para o Brasil, tem no EBT em Lisboa um interlocutor. ?Sua criação trouxe uma espécie de maioridade para o turismo brasileiro em Portugal e tem sido importante para nossas ações no País?, declarou o vice-presidente da companhia, Luiz da Gama Mor. Neste um ano e meio de funcionamento do EBT em Lisboa, a mídia espontânea do Brasil em Portugal chegou a 1,7 milhão de euros.

Para o diretor de Produtos para a América Latina, Caribe e África da operadora Thomas Cook na Alemanha, Roland Junker, o escritório em Frankfurt é importante por ser o intermediário entre o mercado alemão e o Brasil, ?com o adicional de estar inserido na realidade de trabalho local?. Em geral, esse é o sentimento dos profissionais de turismo que já estão em contato com um dos cinco EBTs na Europa.

?Os escritórios estão presentes em países emissores importantes e não deixam que esses mercados tomem fôlego. Estamos lá com uma agenda intensa, estabelecendo parcerias e estreitando relacionamentos. Esse é um papel fundamental para a promoção internacional do Brasil?, diz o presidente da Embratur, Eduardo Sanovicz. Os EBTs trabalham em sintonia com a Agenda de Promoção do Turismo Brasileiro no Mercado Internacional executada pelo instituto. Existem ainda escritórios nos Estados Unidos (Nova York), um para a América do Sul sediado em Brasília (DF) e outro dedicado à promoção conjunta dos países do Mercosul no Japão (Tóquio), em parceria com a Jica (sigla em inglês para Agência de Cooperação Internacional do Japão).

Dentro das especificidades de cada mercado e do tempo de atuação dos escritórios na Europa, resultados começam a aparecer. Juntos, já confirmam mais de sessenta novas operadoras que passaram a comercializar Brasil ou vão começar a vender nos próximos meses.