Em três anos de estagnação de crescimento, o turismo internacional registrou uma retomada espetacular em 2004, com a grande maioria dos destinos tendo resultados positivos. O número de chegadas de turistas internacionais progrediu 10% em relação a 2003, que foi um ano difícil devido a três fatores negativos: o conflito no Iraque, Sars e a fragilidade da economia.

A região da Ásia e do Pacífico foram aquelas que tiveram um aumento mais significativo (29%). Na América, as chegadas turísticas internacionais progrediram em 10% com relação a 2003. Na América do Norte, o número de turistas, que constatava uma baixa incessante nos últimos três anos, aumentou 9% em 2004. A América do Sul teve uma progressão de 15%.

A Europa é a região que teve resultados mais baixos em 2004, mas contrariamente às Américas e à região da Ásia-Pacífico, ela registrou resultados positivos em 2002 e 2003. A freqüentação européia aumentou em 4% em 2004. Na Europa ocidental, o número de turistas aumentou somente 2,3%. Os destinos mais visitados com moeda em euro sofreram uma intensa concorrência de outros destinos europeus, da África do Norte e do Oriente Médio, bem como da América e da Ásia-Pacífico.

FrançaCom um pouco mais de 75 milhões de turistas, a França mantêm-se como líder mundial em número de chegadas estrangeiras e teve um aumento em sua receita turística de 1,6%, ou seja, arrecadou em 2004 aproximadamente 32,8 bilhões de euros.

Na França, a visita dos turistas estrangeiros em 2004 foi estável com relação ao ano precedente: o número de chegadas estabeleceu-se no mesmo nível que o de 2003 (0,1%), sabendo-se que o número de pernoites diminuiu ligeiramente (-1%).

Pelo segundo ano consecutivo, o número de pernoites estrangeiras diminuiu, passando de 567 milhões em 2003, para 561 milhões em 2004. Os brasileiros foram responsáveis por três mil. Em primeiro lugar estão as ilhas britânicas, responsáveis por 105.193 pernoites; em segundo, a Alemanha, com 102.474 pernoites. Depois vêm Países Baixos (78.008), Bélgica e Luxemburgo (64.740), Itália (49.129), Estados Unidos (26.230) e Espanha (20.214).

As regiões que mais evoluíram em número de pernoites, incluindo turistas estrangeiros e franceses, foram Ile de France, Provence Alpes Côte d´Azur, Rhône Alpes, Midi-Pyrénées, Aquitaine e Languedoc Roussillon.

Confiante na retomada econômica de seus países, brasileiros, argentinos, chilenos e mexicanos voltaram a consumir e confirmaram seu gosto por viagens, principalmente ao exterior. 2004 foi um bom ano para a França, que assistiu a um aumento do número de chegadas de turistas da América Latina do nível de 12,3% e de pernoites 7,3%, o que representa aproximadamente 409.663 chegadas.

O Brasil está na décima primeira posição no ranking mundial de turistas estrangeiros na França, com trezentos mil turistas, o que representa um aumento de 8% com relação ao ano de 2003. As despesas dos brasileiros na França baixaram um pouco em razão da supervalorização do euro. O gasto médio de um brasileiro hoje é em torno de 300 euros por dia, incluindo refeições e hospedagem, colocando o Brasil entre os quatro principais países, com gasto individual mais alto. As reduções de gastos dos brasileiros é conseqüência da redução do período de permanência (de 12/10 dias para 10/8 dias) e pela escolha por hotéis mais econômicos.