Além das dezenove piscinas,
o resort terá uma piscina de ondas.

Um mar de águas doces e quentes no meio do Brasil. O que parece ser, no mínimo, surrealista promete ser o grande atrativo turístico de Goiás a partir de 2004. Trata-se de uma piscina de ondas com cinco mil metros quadrados de espelho d’água, o mais arrojado passo a ser dado nos próximos dois anos pelos proprietários do resort Pousada do Rio Quente e que representará um investimento de US$ 3 milhões. A grande piscina será instalada no Hot Park, um parque aquático de quarenta mil metros quadrados, totalmente integrado à natureza. O mar de águas quentes faz parte da terceira fase de um amplo projeto de desenvolvimento que engloba seis etapas e deverá ser desenvolvido pelos empreendedores da Pousada do Rio Quente até 2020.

Inserido no complexo, assim como o Parque das Fontes, o Hot Park foi construído há quatro anos para ser um local de lazer com diversão, atendendo aos anseios dos hóspedes do resort e outros visitantes que gostam de ecoturismo, esportes radicais e brinquedos que fazem a adrenalina ir a mil.

A piscina de onda incrementará os atrativos das Águas Quentes, região onde se localiza a Pousada do Rio Quente e as Termas de Caldas Novas e que recebe anualmente cerca de três milhões de turistas. Hoje, são freqüentadores dos dois parques da pousada e de suas dezenove piscinas todos os hóspedes dos cinco hotéis do resort (Suíte Flat, Chalé, Turismo, Pousada e Recanto), além de duzentos mil turistas do total de dois milhões recebidos pelas Termas de Caldas Novas, complexo turístico que se localiza no município de mesmo nome, a 27 quilômetros de Rio Quente.

Segundo diretores da pousada, no futuro, o Hot Park deverá ser desvinculado do resort, tornando-se um parque independente. Hoje, os hóspedes do complexo podem freqüentá-lo sem pagar entrada. Além de seus equipamentos de diversão dentro da água, como o lazy river (corredeira de água quente que pode ser deslizado de bóia) e o giant slide (um escorregador gigante), o Hot Park oferece shows durante todo o ano. Para este ano, já estão confirmadas apresentações de Ivete Sangalo, Chitãozinho & Xororó e Chiclete com Banana. O parque já chegou a atrair oito mil pessoas em um dia de show, afinal, não é todo dia em que se pode assistir a uma apresentação de cantores e conjuntos de sucesso nacional sem sair de uma piscina de águas quentes. De março do ano passado a março deste ano, o complexo recebeu aproximadamente um milhão de visitantes.

Brasil Central apresenta seu tesouro de águas quentes

Nem mesmo o grande espelho d’água (cinco mil metros quadrados) da futura piscina de ondas pode refletir os números grandiosos do complexo Pousada do Rio Quente Resorts. O principal deles é em relação ao volume de água quente que surge naturalmente do solo no local onde se situa o complexo.

São seis milhões de litros de água quente por hora que brotam de dezoito fontes, se renovando a cada vinte minutos. Este é o motivo pelo qual os empreendedores – grupos Gepebar e Algar – pretendem dar início a uma campanha para incluir o complexo no Guinness, o Livro dos Recordes, por ter o rio de maior vazão de águas quentes do mundo.

Não é muito fácil explicar, em linguagem leiga, a existência deste verdadeiro tesouro natural. Segundo o diretor de Marketing, Alexandre Zubaran, as águas da chuva penetram nas ranhuras das rochas, descem pelo solo até 1,2 mil metros, onde aquecem até chegar à ebulição e voltam à tona por pressão. Quando chegam ao lençol freático, misturam-se às outras águas e emergem nas piscinas e rios da Pousada a uma temperatura de 37 graus. Além de quentes, têm propriedades terapêuticas, por conterem um complexo químico-mineral alcalino constituído de sais de bicarbonato de cálcio, magnésio e potássio.

A primeira preocupação quando se constata a presença de uma maravilha destas dentro de nosso país é em relação ao seu tempo de vida. Conforme estudos divulgados pela Pousada, as águas são abundantes e estarão presentes nesta mesma quantidade e qualidade por pelo menos mais quinhentos anos. Os investimentos são pesados também no que se refere à proteção ambiental. Todo o complexo foi construído com base em estudos de impacto ambiental. Este cuidado ajudou o complexo a conquistar o certificado ISO 14000, em agosto do ano passado.

Influência

Não é só o volume de água que impressiona. Os números são grandiosos quando se trata de investimentos. O diretor superintendente, Marcos Freitas Pereira, informa que, desde o início de 2000 até o final deste ano, serão investidos US$ 40 milhões em melhorias e desenvolvimento do complexo. Com todo este investimento, a expectativa é a de crescer também no faturamento – os R$ 89,7 milhões registrados no ano passado devem receber um incremento de 8% este ano. Esta pode ser uma meta arrojada por se tratar de um complexo turístico de lazer que fica a mais de mil quilômetros de distância do mar mas, segundo a diretoria, vem sendo cumprida ano a ano. Do total faturado anualmente, o complexo lucra 27% a 28% e paga R$ 12 milhões em impostos e de R$ 30 a R$ 40 milhões para fornecedores.

Existente há 38 anos, a Pousada do Rio Quente é o propulsor da cidade onde está instalada. Os 2,1 mil habitantes de Rio Quente, município emancipado de Caldas Novas há apenas doze anos, vivem quase que sua totalidade em função do complexo. Isso porque muitos dos hóspedes da Pousada como também os demais turistas que se dirigem ao complexo principalmente atraídos pelo Hot Park, visitam o centro da cidade, seu comércio, praças, restaurantes.

Alexandre Zubaran informa que há uma zona de influência em torno da Pousada que chega a trezentos quilômetros, incluindo cidades como Goiânia, Anápolis e Uberlândia, que ficam a cerca de 180 quilômetros do complexo, e Brasília, Rio Verde e Uberaba, que se situam a trezentos quilômetros; abrangendo um total de oito milhões de habitantes. (Danielle de Sisti)

De termalismo para entretenimento

Bastante freqüentado por grupos de terceira idade, que costumam se beneficiar das propriedades terapêuticas de suas águas quentes, a Pousada do Rio Quente está mudando o foco de seus negócios, visando atingir turistas de todas as idades. Segundo o diretor de marketing, Alexandre Zubaran, há dez anos, a média de idade do público do resort era de 65 anos, hoje, 67% são pessoas com idade de 25 a 49 anos e apenas 23% acima de 55 anos. Outros dados divulgados são que 87% do público pertence às faixas A e B e 52% voltam ao resort, pelo menos, mais uma vez.

A fim de deixar de ser um mero destino de águas termais e se tornar efetivamente um destino de entretenimento para todas as idades, a pousada investe, cada vez mais, em atividades que incluem esportes radicais e ecoturismo. Entre elas estão o arvorismo ou andar pela copa das árvores (R$ 16), rapel (R$ 10), escalada (R$ 10), mergulho ecológico no lago de água quente – diurno e noturno (de R$ 12 a R$ 100); acqua ride (mini-rafting) e tirolesa. Essas atividades são pagas à parte, ou seja, não estão incluídas nos pacotes de viagem. Porém, se o turista quiser fazer várias dessas atividades, poderá comprar os pacotes oferecidos no próprio resort. Por exemplo, o pacote que inclui rapel, tirolesa, escalada e safári com quadriciclo custa R$ 38 por pessoa.

Para os menos aventureiros, há os passeios de pedalinho (vinte minutos por R$ 6) e de trenzinho (R$ 5 por uma hora). Para as crianças acima de dois anos, há ainda uma minipista, onde se corre com carrinhos especiais por R$ 5 durante cinco minutos ou por R$ 8 durante dez minutos.

As pessoas que tiverem dificuldade em se locomover dentro do Hot Park ou que quiserem fazer um passeio de reconhecimento com o veículo, guiados por um instrutor podem alugar carrinhos elétricos que custam R$ 10 por quinze minutos, R$ 16 por trinta minutos. O dia de aluguel custa R$ 70.

* A jornalista viajou a convite da Pousada do Rio Quente Resorts.

Pacotes diversos

A operadora do resort Pousada do Rio Quente é a Valetu, que oferece diversos tipos de pacote, cujos preços variam conforme o número de dias e o hotel. O pacote de sete dias mais barato custa R$ 1,1 mil por pessoa no hotel Chalé. Inclui pensão completa (com bebidas durante as refeições), passagens aéreas, traslados e ingresso no Hot Park). O pacote mais caro para este mesmo período custa R$ 1.858 por pessoa com hospedagem no hotel Turismo. Inclui meia pensão (com bebidas durante as refeições), passagens aéreas, traslados e ingresso para o Hot Park.

Há pacotes de quinta-feira a domingo, que não incluem as passagens aéreas. Os preços deles, por casal com uma criança de até onze anos, são R$ 358 no hotel Pousada (inclui café da manhã e jantar); R$ 408 no hotel Turismo (com café e jantar); R$ 295 nos hotéis Recanto e Suíte Flat (com pensão completa) e R$ 237 no hotel Chalé (com pensão completa).

Para entrar em contato com a Valetur em Curitiba, o telefone é (41) 233-4848 e o e-mail é o valeturcwb@viajato.com.br .

Saiba que…

– Dentro do resort nada é pago em dinheiro. Tudo que se compra no complexo é registrado em um cartão pessoal entregue na hora do check in no hotel. Na compra de qualquer produto ou serviço, o funcionário passa o cartão em uma máquina, como as de cartão de crédito e débito, e entrega ao hóspede um pequeno recibo. O mesmo cartão serve como chave do apartamento. Para evitar perdê-lo, o melhor é pendurado no pescoço (há uma grande alça para isso) e, não se preocupe, pode entrar nas piscinas com ele.

– O resort é formado por cinco hotéis, porém três deles não ficam dentro do complexo. Para o traslado, há ônibus que saem do complexo há cada vinte minutos com direção aos hotéis e vice-versa. Eles funcionam das 8h às 23h40.

– A melhor roupa para passear no resort é a roupa de banho com, no máximo, um short ou saia por cima e, nos pés, um chinelo bem confortável.

– Todas as noites são sábado no resort pois há sempre shows de humor ou musicais promovidos pelo pessoal da recreação. Para esta ocasião, é recomendado vestir-se um pouco melhor, porém, nada de sofisticação.

– Não se esqueça do filtro solar. O sol em Goiás é forte, inclusive nos meses de inverno.

– A Pousada do Rio Quente também tem personagens próprios, inspirados nos animais típicos do cerrado que estão ameaçados de extinção e que se propõe a ensinar adultos e crianças a ter respeito pela natureza. É a Turma do Cerrado, composta pelo Juba (lobo guará), Marina (tartaruga), Bia (a menina), Léo (o menino), Valente (tamanduá), Lara (arara), Bicudo (tucano), Zira (onça pintada), Bola (tatu) e o Piopardo (mix de vários animais).