Acervo Prefeitura
Pousadas em Jaquirana oferecem passeios às cachoeiras do
município, como a dos Venâncios.

Na parte mais alta do Rio Grande do Sul estão os Campos de Cima da Serra, uma rota formada por nove municípios onde popularmente se fala que as nuvens fazem sombra nas montanhas. Atrativos naturais não faltam neste destino do nordeste gaúcho. A leste estão os cânions dos Aparados da Serra e ao norte, a bela serra catarinense, outro forte destino brasileiro. Junto com as regiões vizinhas, como a das Hortênsias e a da Uva e Vinho, os Campos de Cima da Serra formam um dos mais belos destinos turísticos da serra gaúcha.

Viajar pela região é descobrir novas sensações, simbologias, conhecer a essência de um povo e envolver-se com suas encantadoras belezas naturais. Em cada lugar há uma história, contada pelas pessoas que lá vivem, mas também, de certa forma, pelas paisagens, pelo sabor da típica comida gaúcha, pelo vento, pelo fogo-de-chão, pela hospitalidade e pelo misticismo que envolve as rodas de chimarrão. Quem visita os Campos de Cima da Serra sente-se em casa e descobre por que a tradição do gaúcho é tão forte e capaz de tornar uma região inteira inesquecível.

Tradição

Cânion Itaimbezinho, no Parque Nacional dos Aparados da Serra, em Cambará do Sul, é hoje o mais conhecido atrativo
da região.

A região teve como primeiros habitantes os índios. Ainda hoje é possível encontrar vestígios dessa civilização em casas subterrâneas e em objetos encontrados em escavações. Porém, os usos e costumes do povo serrano estão voltados para a cultura dos antigos tropeiros e do gaúcho. Testemunhos vivos dessas culturas podem ser conferidos por meio das construções em estilo colonial português feitas em madeira, em visitas aos extensos mangueirões de pedras que cortam campos, e também nas fazendas e em seus cemitérios particulares. Na culinária, destaque para as comidas campeiras preparadas com pinhão, charque, abóbora, mandioca, o típico churrasco e sobremesas de origem portuguesa, como o doce de gila, fruta típica da região.

Tropeirismo

A história do gaúcho serrano mistura-se à cultura do tropeirismo. Época importante para a economia do País e também para a região. Os tropeiros atravessavam o Brasil comercializando animais e produtos. Com isso, muitas cidades foram fundadas. Nos Campos de Cima da Serra, os corredores por onde passavam tropas de mulas estão sendo resgatados e transformados em rotas para o turismo. A região é um museu a céu aberto, preservando a história dos antigos tropeiros por meio da sua arquitetura, de ruínas escondidas no interior das cidades, de fazendas, que serviam de pouso para as tropas, dos passeios de mula e dos depoimentos de quem viveu ou herdou a cultura.

Atrativos naturais

Foto: Marlei Niles
Em São José dos Ausentes, o Cânion Pico do Monte Negro, 1.403 metros acima do nível do mar.

Cercada por florestas de araucárias, esta é uma das regiões mais belas do País. Nos Campos de Cima da Serra o visitante tem a oportunidade de conhecer de perto obras-primas da natureza, como os cânions dos Aparados da Serra. A região também é ótima para quem busca aventura.

São oferecidas atividades de rapel, rafting, travessias de cânions, trilhas de quadriciclos e jipes e belos passeios por cachoeiras e lajeados de águas cristalinas. Conhecida também como a patagônia brasileira, os Campos de Cima da Serra oferecem locais especiais para a pesca esportiva de trutas e outras espécies de peixes.

No inverno, a grande atração é o frio. Com temperaturas abaixo de zero, paisagens e casas quase sempre amanhecem cobertas pelo branco das geadas. Os lagos e as cachoeiras congelam e a região que já é linda fica encantadora. Contudo, na estação mais fria do ano, a neve é a estrela mais aguardada pelos visitantes.

Nove cidades, mas muitos atrativos

Foto: Paulo Afonso Borba
Memorial José Mendes, construído em forma de violão, em Esmeralda.

As nove cidades que compõem a rota Campos de Cima da Serra somam muitos atrativos, que abrangem a própria história da região nordeste do Rio Grande do Sul e suas tradições, mas principalmente as inúmeras belezas naturais. Conheça um pouco de cada cidade.

Bom Jesus – Em Bom Jesus a cultura dos antigos tropeiros ainda é muito presente. Os corredores de tropeadas, os passeios de mula e a confecção dos animais em miniatura preservam uma parte importante da história do Brasil. A truta também um grande atrativo para os que apreciam a pesca e o delicioso sabor e propriedades deste peixe, servido em forma de rodízio, com grande variedade de combinações. Informações: (54) 3237-1585 e www.bomjesusturismo.tur.br.

Acervo Prefeitura
O Fervedor e as águas do Rio das Antas: fenômeno curioso em Monte Alegre dos Campos, e a Reserva Ecológica do Aracuri é abrigo de
aves diversas, em Muitos Capões.

Cambará do Sul – Cânions, cachoeiras e lajeados são alguns dos atrativos deste santuário ecológico. Lá estão os famosos cânions Itaimbezinho e Fortaleza, exuberantes paredões, protegidos pelos Parques Nacionais de Aparados da Serra e da Serra Geral. Destaque também para o turismo rural e de aventura, com passeios a cavalo, trilhas ecológicas, rafting, rapel, tirolesa e trilhas. Informações: (54) 3251-1557 e www.cambaradosulturismo.com.br.

Esmeralda – Tradição gaúcha, pioneira do Tiro de laço e rica em belezas naturais preservadas. A cultura riograndense está presente no cotidiano dos seus moradores, na arquitetura local e nos eventos. Na localidade de Santa Terezinha está o Memorial José Mendes, um prédio construído com as formas de um violão em homenagem ao músico tradicionalista, filho adotivo da cidade. Turismo religioso forte no Santuário do Senhor Bom Jesus. Informações: (54) 3354-1222.

Acervo Prefeitura
Catedral de Pedra é um
dos símbolos de Vacaria.

Jaquirana – A pequena cidade abriga pousadas rurais que oferecem boas acomodações, passeios a cavalo, comida típica gaúcha, passeios ecológicos e principalmente trilhas que levam às belas cascatas do município, como o Passo do ?S?, a Cachoeira dos Venâncios e a Cascata Princesa dos Campos. Informações: (54) 3253-1100.

Monte Alegre dos Campos – É conhecida pela produção de maçã, uva, pêra e kiwi. Um dos seus atrativos é o Fervedor, um corredor rochoso por onde passa o Rio das Antas. O encontro de suas águas com as dos Rios Refugiados e Quebra-Dentes forma bolhas de ar, dando a impressão de que estão fervendo. Informações: (54) 3231-1080 e www.montealegredoscampos.rs.gov.br.

Muitos capões – O município abriga um valioso tesouro natural – a Reserva Ecológica de Aracuri, administrada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente. Formada por campos e pinheirais, a área preserva animais como o papagaio-charão. Informações: (54) 3612-2102 e www.muitoscapoes.rs.cnm.org.br.

São Francisco de Paula – A cidade chamada carinhosamente de ?São Chico? é um dos municípios mais belos do Rio Grande do Sul. Em seu território estão lindas cachoeiras, matas de araucárias, lajeados e trilhas ecológicas. Informações: (54) 3244-1602 e www.saofranciscodepaula.rs.gov.br.

Foto: Daiana Silva
Passeio de mula em Bom Jesus
é herança cultural dos tropeiros.

São José dos Ausentes – Na cidade mais alta e fria do Rio Grande do Sul, o turismo rural e a natureza são os grandes atrativos. Nas pousadas rurais, o visitante pode aproveitar cavalgadas, pescarias, banhos de cachoeira e trilhas ecológicas. No município há vários cânions que fazem parte da formação dos Aparados da Serra, dentre eles o mais conhecido é o Pico do Monte Negro, com 1.403 metros acima do nível do mar. Informações: (54) 3234-1006 e www.ausentesonline.com.br.

Vacaria – Considerada a ?Porteira do Rio Grande?, Vacaria é a maior cidade dos Campos de Cima da Serra. É sede de um dos maiores rodeios da América Latina, o Rodeio Crioulo Internacional. Além do forte tradicionalismo gaúcho, o município destaca-se ainda no turismo, pecuária, produção de maçãs e flores. Informações: (54) 3231-1476 e www.vacaria.net.