Depois de curtir a agitação do litoral neste verão com temperaturas recordes, sair um pouco do circuito praia e badalação pode ser uma boa pedida. Santo Amaro da Imperatriz, a 37 quilômetros de Florianópolis, em Santa Catarina, é uma das opções para quem quer aproveitar para descansar longe das areias. Considerada uma "cidade milagrosa", Santo Amaro transmite energia e pureza. Ali, a "cura" do estresse, do cansaço e de vários outros problemas vêm das águas. As dez fontes termais, que emergem de terrenos de quinhentos milhões de anos de existência na região de entorno da Serra do Tabuleiro, atraem turistas de diversos estados brasileiros e até de países vizinhos em todas as épocas do ano. Todos vão em busca desses "milagres".

A distância não é problema para quem deseja beneficiar-se das águas de ação desintoxicante e hidratante, que têm indicações terapêuticas para o aparelho digestivo, renal e sistema nervoso. Colabora, ainda, no tratamento do reumatismo, de doenças metabólicas e da pele. Tais propriedades seriam a conseqüência da origem das águas. "A hipótese geológica mais provável é a de que a água da chuva desce pelas fendas de formação rochosa e encontra, a mais de mil metros de profundidade, rocha em fusão. Sobe por pressão de temperatura e vai trazendo traços dos minerais presentes nas rochas, a maioria granito. Acaba retornando aquecida e mineralizada", explica o biólogo Fernando Brüggemann, que há 15 anos desenvolve um trabalho de educação ambiental no Plaza Caldas da Imperatriz Resort & Spa.

Complexo tem piscinas de águas termominerais: hóspede se trata enquanto se diverte.

Segundo ele, em qualidade, as águas termais da região estão entre as melhores do mundo, perdendo apenas para as de Vichy, na França. "A combinação dos sais identificados na água, com a sua neutralidade, de uma pequena dose de radioatividade, aliada à temperatura (na fonte a 41,5 graus e na banheira a 36 graus), favorece o corpo todo", define funcionário do Plaza Caldas da Imperatriz. Fundado há cerca de 25 anos, o hotel costuma receber hóspedes interessados não apenas em relaxar junto à exuberante natureza da região, mas também em aproveitar os benefícios das águas para controlar o estresse e outras doenças. A crescente procura fez com que os administradores investissem na criação de um spa, há vinte anos, cujos tratamentos estão baseados na utilização da água termal. Nos últimos anos tem aumentado o número de pessoas que vêm em busca de relaxamento, mas acabam dizendo que se perderem uns quilinhos, melhor", diz a gerente do hotel Lica Takahashi. Segundo ela, 70% dos hóspedes que fazem o programa do spa são turistas de São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Brasília, além de argentinos e uruguaios. As águas termais abastecem as seis piscinas e os 169 apartamentos do hotel, proporcionando aos hóspedes beneficiar-se das suas qualidades nas banheiras dos próprios quartos.

Para quem prefere se acomodar em um local mais reservado, uma alternativa pode ser a Pousada da Mata, também de propriedade do resort, distante 2,5 quilômetros do complexo. Um verdadeiro santuário ecológico em meio à fauna e à flora da Serra do Tabuleiro, um dos últimos refúgios da Mata Atlântica. Dos noventa mil hectares de área da serra, que abrange nove municípios, 70% são de Mata Atlântica. A pousada, muitas vezes, é a sede de grupos de estudantes que costumam analisar e pesquisar as características da região.

Resort no meio da Mata Atlântica

Pousada oferece opção de cinco trilhas no meio da Mata Atlântica.

O Resort Plaza Caldas da Imperatriz, a 37 quilômetros de Florianópolis, tem um parque ecológico próprio, de 138 hectares. Ele fica bem na divisa do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, em Santa Catarina, de 87,4 mil hectares, resultando, em termos biológicos, em uma área única de natureza preservada. Nesse cenário está o hotel -com 169 apartamentos e suítes, piscinas de águas termominerais, externa e interna -que tem ainda Pousada da Mata, distante 2,5 quilômetros do resort, mas com acesso pavimentado e transporte programado. Ali, são apenas 12 apartamentos. Cercada pela mata, a pousada oferece a opção de cinco trilhas no meio da Mata Atlântica, uma delas vai até a Cascata do Tatu, uma belíssima queda livre de água de trinta metros num paredão de granito rosado.

Além das trilhas, existem opções bem mais suaves de caminhadas para observar espécies vegetais e aves – entre elas o beija-flor-de-fronte-violeta, o saíra-militar, o canário-do-campo, o dançador, o macuco e várias espécies diferentes de tucanos. Com um pouco de sorte pode-se também ter contato com outros animais nativos, a maioria em perigo de extinção, mas que ainda sobrevivem e habitam a região, como o macaco-prego, a anta, o tamanduá, o veado-mateiro, o puma, a jaguatirica e mesmo o maior felino das Américas, a onça-pintada.