Com o avanço das pesquisas e a chegada de drogas cada vez mais modernas ao mercado, somados ao fornecimento universal de medicamentos feito pelo Programa Nacional de DST/Aids, do Ministério da Saúde, o grande desafio dos médicos e especialistas passou a ser outro: fazer o paciente aderir ao tratamento prescrito, com o menor desvio possível.

Hoje em dia, seguindo corretamente o tratamento, o paciente pode levar uma vida normal. ?O desafio agora está na adesão dos portadores de HIV ao tratamento?, afirma o infectologista Juvêncio Furtado, primeiro-secretário da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). Os medicamentos mais avançados, com número menor de tomadas diárias e efeitos colaterais reduzidos, aumentam as taxas de adesão, mas ainda assim existe uma preocupação dos médicos em manter a disciplina por parte dos pacientes.

A adesão ao tratamento significa tomar a medicação na hora e da forma prescritas. O que pode parecer uma atitude simples para algumas pessoas, torna-se um desafio em grupos como usuários de drogas, doentes psiquiátricos ou mesmo moradores de rua. Com efeito, pequenos desvios na ingestão dos medicamentos prescritos são considerados normais e têm conseqüência mínima para os pacientes. No entanto, pesquisas mostram que a média de adesão aos tratamentos é de 75% no mundo. Esse fato leva à criação e transmissão de cepas mais resistentes do vírus e faz com que aumente em três vezes a chance de morte dos seus portadores.