Vários erros relacionados à proteção contra os raios solares começam a acontecer na chegada do verão. Com pânico de se expor ao sol, as pessoas usam e abusam de protetores solares e até mesmo não vão à praia com medo da radiação, como se isso resolvesse ou como se nas outras épocas do ano a pele não precisasse ser protegida da radiação solar.

Assim como o excesso de exposição ao sol, a falta de contato da pele com os raios solares pode fazer mal a nossa saúde. O Dr. Michael Holick, professor de medicina, dermatologia, fisiologia e biofísica do Centro Médico da Universidade de Boston, afirma que para cada caso de câncer de pele por exposição solar há vinte outros de câncer de seio ou próstata causados por se evitar demais ao sol.

Esse estudo é importante para esclarecer que não podemos ficar sem o sol. Além dos motivos citados acima, ele é responsável pela fixação de vitamina D em nosso organismo e, por isso, está diretamente relacionado à quantidade de cálcio em nossos ossos, às nossas chances de ter mal de Parkinson, ao controle da pressão arterial e a várias outras doenças.

Com tantos benefícios que a exposição ao sol controlada pode trazer graças à absorção da vitamina D, outros meios para prevenir do câncer de pele se mostram mais eficazes do que ficar sem sair de casa ou debaixo de uma camada grossa de protetor solar. Um artigo da Dra. Niva Shapira, publicado no jornal Nutrition Rewiews, aponta como o principal culpado pela maioria dos cânceres de pele, inclusive o temido melanoma, a alimentação pobre em nutrientes vitais ao nosso organismo.

Há anos digo isso a meus pacientes. Está claro que os índices de câncer e o uso de protetor solar têm aumentado juntos. Para mim, significa que o uso do protetor não garante imunidade. O ideal é alimentar-se bem. Não estou dizendo que o protetor solar não deve ser usado, mas sim usado com sabedoria e sem exageros.

Uma boa maneira de usá-lo é perceber se a pele está ficando rosada. Quando isso acontecer, saia do sol e passe um pouco de protetor pelo corpo. Ficar em um lugar coberto não adianta nada, já que os raios ultravioleta podem nos atingir mesmo na sombra.
Como já falei em meus últimos artigos, a alimentação adequada está diretamente ligada ao seu tipo metabólico. Proteínas, carboidratos, gorduras e açúcares, se consumidas na quantidade certa para o seu corpo, podem ter um fator de proteção contra o câncer maior do que o protetor solar.

Não deixe de tomar sol por temer estar desprotegido. Aproveite o lado bom dos raios ultravioleta durante todo o verão e não deixe sua pele sob litros e litros de protetor solar. Siga uma dieta de acordo com suas necessidades individuais, como a do tipo metabólico, que reduz a incidência de melanoma e de danos à pele relacionados aos raios ultravioleta.