Segundo Mariana, a Síndrome do
Ninho Vazio é recente e, além
de mulheres, afeta os homens.

A saída dos filhos de casa – seja por motivos profissionais, de lazer, necessidade de estudos, namoro, ou mesmo casamento – pode fazer com que os pais se sintam sozinhos, inúteis, deprimidos e sem um sentido maior para a vida. O problema, considerado de cunho psicológico, já recebeu até um nome: Síndrome do Ninho Vazio.

Segundo a psicóloga Mariana Garcez Pereira de Almeida, a síndrome é mais comum entre as mulheres, que hoje se encontram na faixa etária dos 40 aos 50 anos, ou que possuem filhos entre os 22 e os 30 anos de idade. Os homens, porém, não estão livres de sofrer com o problema. “Geralmente, as mulheres são as maiores vítimas. Sofrem mais as que não investiram em uma carreira profissional, dedicaram toda a vida à família ou deixaram projetos pessoais de lado para cuidar dos filhos”, afirma.

Os sintomas da síndrome são: depressão, irritação e pensamento negativista em relação a si próprio. Eles podem ser agravados, caso a mulher esteja na menopausa. “Na fase da menopausa, a mulher passa por uma série de alterações hormonais e, muitas vezes, também por uma série de conflitos emocionais. Se a menopausa coincide com a saída dos filhos de casa, a mulher pode se sentir muito mais desanimada”, diz Mariana.

A psicóloga revela que a Síndrome do Ninho Vazio é um problema recente. Isso porque, antigamente, as mulheres tinham mais filhos, que logo lhes davam netos e impediam que o sentimento de rejeição aparecesse. “Elas acabavam de cuidar dos filhos e já passavam a se ocupar com os netos. Não tinham tempo para se sentirem inúteis e sozinhas. Porém, hoje em dia, os filhos saem de casa e, geralmente, demoram para ter seus próprios filhos, dando prioridade à carreira profissional.”

Muitas vezes, os filhos, cujas mães são vítimas da síndrome, acabam prejudicando suas próprias vidas em função do problema. “Em muitos casos, as mães passam a fazer chantagens emocionais e, mesmo de forma inconsciente, tentam impedir que os filhos sigam suas próprias vidas. Em outras vezes, elas se tornam pessoas chatas, que reclamam de tudo e tentam exercer controle, prejudicando o relacionamento com os filhos.”

Para superar o problema, é importante que os familiares incentivem a mulher a redescobrir seus talentos ou mesmo procurar ajuda profissional. “Os filhos não devem abrir mão da carreira profissional ou do lazer, para ficarem do lado da mãe. Devem sim, ajudá-la a enxergar que ainda é uma pessoa útil, cheia de conhecimentos, habilidades, talentos e que deve ter uma atividade e suas próprias fontes de prazer. A mulher tem de resgatar sua auto-estima e voltar a almejar suas ambições.”