Levantar os seios, definir o abdome e se livrar das gordurinhas: um pacote completo que virou moda entre mulheres que acabam de dar à luz e pretendem voltar a ter o mesmo corpo que exibiam antes da gestação. Populares nos Estados Unidos e na Inglaterra, onde são vendidas em pacotes com nomes atraentes como ?mommy makeover? ou ?mommy job?, o conjunto de cirurgias para apagar as marcas deixadas pela gravidez já é bastante difundido nos consultórios brasileiros. No entanto, despertam alertas sobre a pressa das mulheres e a insistência em modificar o corpo sem antes esperar que ele volte ao normal naturalmente.

?Algumas mulheres nos procuram durante a gestação para saber se podem fazer plástica logo após a cesárea?, afirma a cirurgiã plástica Luciana Pepino. ?Há médicos que fazem, mas não é recomendado. E o difícil é convencê-las a esperar?, explica, acrescentando que muitas até mesmo se iludem com o poder das cirurgias, achando que vão fazê-las perder peso, o que não é verdade.

O cirurgião plástico Cláudio Valle, do corpo clínico do Hospital São Rafael, também atende pacientes com esse perfil: ?Tem pessoas que, ainda amamentando, querem fazer lipoaspiração?, conta. ?Em geral são mulheres muito bonitas, que não aceitam a mudança no corpo provocada pela gravidez?, diz.

Segundo Valle, elas não conseguem se ver com estrias e a pele flácida decorrente da gestação. Além disso, outro fator que impulsiona o imaginário dessas recém-mamães é o visual de muitas celebridades que, dias após o parto, desfilam com corpos perfeitos. Algumas, como a atriz Giovana Antonelli, assumem ter recorrido à lipoaspiração. Outras, como a apresentadora Angélica dizem nunca ter feito, mas alimentam especulações sobre como voltaram à antiga forma em tão pouco tempo.

No ano passado, a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos fez mais de 325 mil cirurgias plásticas em mães com idades entre 20 e 39 anos. No Brasil, não há dados compilados, mas os médicos afirmam que a procura só aumenta.