A depressão pós-parto é bem conhecida e estudada em mães, mas também acomete os pais. Cerca de 10% dos homens que são ou irão ser pais também sofrem de depressão, antes ou após o nascimento do bebê, segundo uma pesquisa apresentada no Journal of American Medical Association.

Os pesquisadores analisaram 43 estudos de mais de 28 mil homens que tinham sido pais recentemente. Destes, 10,4% apresentavam os sintomas da depressão entre o primeiro trimestre e o primeiro ano de vida do bebê.

O pesquisador James F. Paulson, da Eastern Virginia Medical School, EUA, ressaltou que o índice de pais deprimidos é duas vezes maior do que o geralmente visto em homens adultos, pos isso, o problema é assunto de saúde pública e algo que os médicos precisam aprender a lidar. 
Os pesquisadores mostraram também que os pais que estavam mais propícios a ter a depressão, antes ou após o nascimento do bebê, eram aqueles que as mães também sofriam com a condição.

As possíveis causas da depressão paterna podem ser hormonais, pois a depressão pós-parto tem sido vista como distúrbio da maternidade.

No entanto, a nova descoberta precisa ser melhor pesquisada para que haja uma explicação mais palpável.

Os sintomas da depressão paterna incluem tristeza, perda de interesse, problemas de sono e perda de apetite. Casos mais profundos podem envolver também irritabilidade e afastamento da família. Tanto a depressão materna quanto a paterna pode ter efeitos negativos sobre as crianças. Algumas pesquisas mostram que as crianças têm problemas emocionais e comportamentais, quando seus pais ficam deprimidos durante os períodos pré-natal e pós-parto.