Muitos homens sentem dores para urinar, apresentam jato urinário fraco e sangramento, mas não procuram o médico para saber o que está acontecendo. Preferem ignorar esses sinais, que podem indicar a presença de doenças como o câncer de próstata. Uma das recomendações do Instituto Nacional de Câncer (INCA) é que, ao perceber os sintomas, o paciente vá ao médico. O diagnóstico precoce é a melhor forma de prevenção. “Por insegurança e medo, muitas vezes, o homem não busca atendimento e se nega a fazer o exame”, destaca Luiz Claudio Thuler, médico epidemiologista da Coordenação de Prevenção e Vigilância do Câncer (Conprev) do INCA. A detecção precoce é a grande arma contra o câncer de próstata. “Em 90% dos casos diagnosticados na fase inicial, há cura”, ressalta Thuler. O toque retal e o exame de sangue conhecido como PSA (antígeno prostático específico) são as principais formas de detectar a doença. Os exames podem ser feitos gratuitamente nos hospitais credenciados à rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Em relação ao exame de sangue, a dificuldade é que apenas 28% apontam corretamente os casos de câncer. Ou seja, 72% dos homens com PSA alterado são submetidos a biópsias sem necessidade. A explicação é que outras doenças como inflamação, hiperplasia benigna da próstata (aumento do volume não canceroso dessa glândula) e sua realização após a ejaculação também alteram o resultado.