As doenças cardiovasculares, incluindo o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC), matam quase 150 mil brasileiros por ano. É a causa de morte de quase 33% da população brasileira. Entre os fatores de risco estão o colesterol elevado, a hipertensão arterial, tabagismo, diabetes e sedentarismo (falta de exercícios). Para o médico cardiologista Hermes Xavier, do Instituto do Coração de São Paulo, o estilo de vida inadequado, o consumo exagerado de calorias e a explosão de obesidade e da diabetes são os principais motivos do aumento da taxa de colesterol e das mortes por doenças cardiovasculares. O médico esteve anteontem em Curitiba participando do Programa de Educação Médica Continuada, promovido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Durante a Campanha Nacional Contra o Colesterol, realizada em várias capitais brasileiras – entre elas Curitiba – foi verificado que 64% das pessoas acima de 55 anos de idade têm dois ou mais fatores de risco cardiovasculares. Na capital paranaense, foram realizados exames em cerca de 5 mil pessoas e 44% delas tinham colesterol alto, sendo que as mulheres são a maioria.

“Tivemos um acréscimo de cerca de 20% da população com colesterol elevado, em comparação com a última avaliação, realizada em 1996”, revela o médico. Isso se explica, segundo ele, pela própria população que está ficando mais idosa, mais obesa e cuja alimentação é rica em gordura. “O que chama a atenção é que em Curitiba, 33% da população apresentam dois ou mais fatores de risco”, diz.

Com relação aos cuidados, o médico alerta para um hábito de vida mais saudável, com exercícios físicos e alimentação controlada. “Quem se enquadra em pelo menos dois fatores de risco tem que procurar orientação médica”, ensina. Segundo ele, pessoas que têm mais de 30 anos ou histórico familiar de doenças cardiovasculares, precisam fazer exames para medir a taxa de colesterol. A taxa máxima aceita é de 200mg/dl.