Doenças no organismo podem ser detectadas pela boca. A importância da odontologia é não se restringir mais a tratar de doenças que envolvam a cavidade bucal e todo o sistema digestivo. Cada vez mais a visão do cirurgião-dentista se expande em relação ao indivíduo como um todo, não o separando por órgãos ou sistemas. Além do desenvolvimento técnico-científico da área, assim como a valorização do processo preventivo ao invés do curativo, a odontologia vem crescendo em muito sua responsabilidade: vários aspectos e alterações bucais podem indicar e até diagnosticar patologias. Além de cárie e doença periodontal, o dentista está atento a qualquer alteração que possa causar desequilíbrio na saúde.

Um primeiro exame odontológico, além de contar com um questionário com informações importantes sobre hábitos e saúde do paciente, visa também a detectar possíveis sinais que indiquem problemas dermatológicos, sangüíneos, toxicológicos, doenças venéreas, alterações degenerativas, entre outras. Doenças dermatológicas como líquen plano e lupus eritematoso podem se manifestar na boca antes de aparecerem na pele, indicando a presença da doença. Manifestações como a candidíase (conhecida como sapinho em uma de suas formas) podem indicar alguma imunossupressão, ou seja, uma baixa do sistema imunológico, o que pode ser relacionado a pacientes que estejam sendo submetidos a radioterapia e quimioterapia, aidéticos, diabéticos e outras doenças.

Inflamação e infeção gengival com rápido desenvolvimento também são características de processos imunossupressores, além de herpes e aftas que também podem indicar desequilíbrios, desde estresse emocional a alterações mais graves. A diabetes também leva a um processo no qual ocorre a diminuição do fluxo salivar e o paciente apresenta a sensação de secura na boca. O sarcoma de kaposi é uma alteração tumoral que indica Aids, assim como alterações na morfologia de alguns dentes como os incisivos em forma de bandeira, molares em forma de amora indicam sífilis congênita.

As intoxicações por metais também podem ser indicadas por manchas nos dentes, gengivas e lábios que podem se manifestar alterando a coloração para tons amarelados, azulados ou prateados. Indivíduos dependentes de nicotina, álcool e drogas também apresentam algumas peculiaridades na cavidade oral que, somando-se a outras informações podem ajudar a pessoa a ser tratada e livrar-se do vício.

Existem inúmeras outras alterações bucais que podem indicar problemas sistêmicos. O cirurgião-dentista é a pessoa mais indicada para a sua detecção. Porém, o indivíduo pode fazer a sua parte em casa, realizando o auto-exame bucal. Esse exame deve ser feito diante de um espelho em um local bem iluminado. A pessoa deve observar seus dentes, gengivas, lábios, bochechas, língua, palato (céu da boca) e garganta na medida do possível. Deve-se atentar para alterações de cor, forma, volume, lesões que não cicatrizam, sangramentos, odor, ardência, dentre outras alterações. Em caso de detecção de alguma alteração o dentista deve ser procurado. Vale ressaltar que esse auto-exame não substitui as visitas periódicas ao dentista. A saúde do organismo também depende da saúde bucal.

MARIO GHELMAN é cirurgião-dentista