Quem achou que o risco de doenças respiratórias tinha ficado para o próximo inverno se enganou.

As condições atuais do tempo na Região Sul favoreceram o aparecimento e o agravamento de problemas respiratórios e quadros alérgicos.

A quantidade de atendimentos em consultas ambulatoriais e nas emergências tanto nos hospitais da rede pública quanto em clínicas particulares teve um acréscimo significativo nesses dias.

A proliferação de sintomas, como coriza, tosse, dor de garganta e mal-estar é regra geral.

A professora Maraina Fabbris, por exemplo, relutou alguns dias antes de procurar ajuda médica.

Tentou eliminar a dor que afetava a sua garganta com pastilhas e analgésicos. Sem obter sucesso, foi obrigada a buscar o auxílio de um especialista.

O diagnóstico veio rápido: sinusite, uma inflamação nos seios da face, cujas crises podem variar de 10 a 14 dias.

Os sintomas típicos são: sensação de pressão atrás das bochechas, aumento da congestão nasal, catarro amarelo-esverdeado, dor nos seios da face e até mesmo dor de ouvido. “Desta vez, os sintomas eram tão fortes que só um antibiótico para solucionar o problema”, contou.

Antibióticos

Muita gente sofre de sinusite sem saber, porque desconhece seus múltiplos sintomas. Na verdade, o distúrbio nem sempre provoca a clássica dor de cabeça, sendo comum vir acompanhada por tosse intensa.

De acordo com o otorrinolaringologista José Eduardo Dolci, a sinusite aparece quando a secreção mucosa dos seios da face é infectada por vírus, bactérias ou fungos.

O médico explica que o fluxo desse muco é permanente e imperceptível. Assim, são alterações anatômicas, que impedem a drenagem da secreção, e processos infecciosos ou alérgicos, que provocam inflamação e facilitam a instalação de germes oportunistas, são fatores que predispõem à sinusite.

Se para os casos de gripes e resfriados, o recomendado é repouso, alimentação balanceada e ingestão abundante de líquidos, com a administração de analgésicos e antitérmicos sob orientação médica, o tratamento da sinusite é mais complicado, baseando-se em antibióticos e descongestionantes orais ou nasais, mucolíticos (medicamentos que dissolvem o muco acumulado) e inalações, que promovem a drenagem do catarro.

De acordo com o médico, podem ser identificados dois tipos de sinusite: a aguda e a crônica. A aguda rapidamente provoca sintomas, principalmente dores na área da face comprometida.

“A dor pode ser forte, em pontada, pulsátil ou sensação de pressão ou peso na cabeça”, observa o Dolci. Na maioria dos casos, surge obstrução nasal com presença de secreção amarela ou esverdeada, sanguinolenta, que dificulta a respiração. Além disso, febre, cansaço, coriza, tosse, dores musculares e perda de apetite costumam acompanhar o processo inflamatório.

Tosse noturna

Já a sinusite crônica se caracteriza por crises que vão e voltam. Seus sintomas são os mesmos, porém podem variar de intensidade, inclusive, com a ausência de dores e febres. Nesses casos, a tosse costuma ser o sintoma preponderante.

O otorrinolaringologista Antônio Douglas Menon, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia explica que a sinusite crônica é, geralmente, noturna e aumenta de intensidade quando a pessoa se deita porque a secreção escorre pela parte posterior das fossas nasais e irrita as vias aéreas disparando o mecanismo de tosse. Acessos de tosse também podem estar presentes pela manhã, podendo desaparecer ao longo do dia.

Dependendo do estado imunológico da pessoa, o quadro pode se tornar grave, afetando, inclusive, regiões orbitária e intracraniana. Os casos de sinusite exigem uma observação atenta do paciente.

Quando um resfriado se estende por mais de 10 dias e apresenta corrimento nasal verde ou amarelo, dor de cabeça constante, inchaço em torno dos, olhos, mau-hálito, náuseas e até vômitos, está na hora de procurar um especialista.

Se preocupe

* Fuma
* Tem rinite alérgica
* Tem deformidade nasal
* Assoa o nariz com muita força
* Espirra forte com a boca fechada
* Sensação de cabeça “cheia”
* Congestão nasal e saída de secreção (geralmente amarelo-esverdeado)
* Gosto ruim na boca
* Dor e sensibilidade nos seios da face e no maxilar
* Cefaléia constante
* Febre

Sintomas

* Respiração forçada pela boca
* Irritação na garganta
* Dores no local inflamado
* Corrimento de secreção amarelada pelo nariz
* Febre
* Dor de cabeça