O Hospital Estadual Pérola Byington, em São Paulo, abriu ontem novas instalações do Centro de Reprodução Humana da unidade. Segundo o diretor-geral do hospital, Luiz Henrique Gebrin, será possível dobrar o número de fertilizações gratuitas realizadas anualmente.

“Atualmente, são 300 procedimentos todos os anos”, aponta. “Com a reforma, será possível chegar a 600, mas dependemos da continuidade dos recursos para comprar os medicamentos”.

Segundo Gebrin, é necessário R$ 1,5 milhão por ano para manter o sistema funcionando. O governo estadual investiu R$ 4,5 milhões em reformas e compras para o hospital, que também incluíram a construção de novas instalações para o Centro de Diagnósticos em Mama.

Gebrin estima que as taxas de sucesso de gravidez na instituição vão alcançar 30%, porcentual semelhante ao de boas clínicas privadas de fertilização. “Um porcentual inferior tornaria inviável a utilização da técnica na sistema público”, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE