O risco de quem fuma ter um aneurisma aumenta significativamente se o indivíduo for portador de certas variantes genéticas comuns.

A afirmação é de um estudo apresentado por pesquisadores da Universidade de Cincinnati (EUA).

Eles identificaram que a presença de alguns genes, combinada com o hábito de fumar o equivalente a um maço de cigarros por dia, aumenta mais de cinco vezes o risco da doença.

“É como acender um fósforo: fumar aumenta grandemente o risco de aneurisma em pessoas com susceptibilidade genética”, disse o professor Joseph Broderick.

O estudo ressalta que o cigarro é a principal causa ambiental de aneurisma intracraniano.

De 70% a 80% dos casos de aneurismas ocorrem em pacientes fumantes. No estudo, 82,5% dos participantes fumou em algum período da vida.

O aneurisma é a dilatação irregular de uma artéria que pode se romper ou trombosar. O rompimento pode levar a uma hemorragia. Quando isso ocorre, cerca de 40% dos pacientes morrem e a maior parte dos demais experimenta problemas sérios causados por danos ao cérebro promovidos pelo rápido sangramento. Os cientistas examinaram 406 pacientes de famílias com pelo menos dois casos de aneurisma intracraniano e 392 outras pessoas no grupo de controle.