lente020408.jpgPráticas, discretas, estéticas e cada vez mais confortáveis, as lentes de contato são usadas por mais de dois milhões de brasileiros com predominância de mulheres, conforme dados da Sociedade Brasileira de Lentes de Contato, Córnea e Refrativa. Não é para menos, elas corrigem desde miopia, astigmatismo e hipermetropia até presbiopia (vista cansada), eliminando os óculos de leitura, sinal inconfundível da idade que poucos gostam de revelar.

Uma novidade neste setor são lentes para míopes recém-lançadas na Europa que melhoram a acomodação e a visão de contraste, funções visuais comprometidas por imperfeições na superfície da córnea e pelo envelhecimento. Para portadores de astigmatismo e ceratocone o último avanço são as lentes híbridas que combinam a flexibilidade e conforto das gelatinosas com a qualidade óptica das rígidas gás-permeáveis.

A má notícia, segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, é que dois em cada dez usuários de lentes têm complicações oculares causadas pelo uso, manutenção ou armazenamento incorretos. O acompanhamento de 210 usuários de lentes atendidos nos últimos dois anos pelo especialista, mostra que o uso abusivo responde por 45% das complicações, alergias por 35%, contaminação por manutenção e armazenamento inadequados por 20%.

Os primeiros sinais de que algo está errado são olhos vermelhos, dor, sensibilidade à luz, visão embaçada e sensação de corpo estranho. Em geral, o desconforto surge de uma hora para outra. Mesmo sendo tolerável, ressalta, o uso deve ser interrompido imediatamente e a busca de orientação médica é recomendada.