O tratamento da psoríase conta agora com medicamentos biológicos. Por agirem em regiões específicas do sistema imunológico, os medicamentos biológicos são muito eficazes e apresentam menos efeitos colaterais que os tratamentos sistêmicos convencionais. A psoríase é uma doença crônica da pele, caracterizada pela presença de manchas avermelhadas que descamam. As lesões surgem devido a um processo inflamatório que acelera o ciclo de renovação da pele, fazendo com que as células novas sejam produzidas mais rapidamente que o normal.

O efalizumabe desenvolvido pelo laboratório Serono, em parceria com a empresa Genentech, é um dos novos medicamentos biológicos, indicado para psoríase moderada a grave. Trata-se de um anticorpo monoclonal que bloqueia as células T, as quais participam do processo inflamatório e provoca o desenvolvimento dos sintomas da psoríase.

Aprovado nos Estados Unidos pela FDA (Food and Drug Administration), em outubro de 2003, com o nome comercial de Raptiva, efalizumabe acaba de ter sua comercialização autorizada na Suíça e será a primeira medicação biológica contra a psoríase lançada na Europa. Antes do final deste ano, o novo medicamento deverá estar disponível no Brasil.

A aprovação de efalizumabe na Suíça foi baseada em quatro estudos científicos de fase III, que foram detalhadamente analisados pela FDA. O novo medicamento proporciona vantagens. É administrado por via subcutânea, o que permite ao paciente auto-aplicar a medicação. Além de ser muito seguro, aprovado para o tratamento a longo prazo, enquanto outros medicamentos têm que ser administrados em períodos espaçados, devido aos efeitos colaterais que provocam.