Fernando Formaglio ressalta a
melhoria na pressão.

Se engana quem pensa que musculação é um exercício físico praticado apenas por jovens que querem exibir um corpo bonito nas praias e chamar a atenção do sexo oposto. Nos últimos anos, a atividade vem despertando o interesse de um número cada vez maior de idosos. Em algumas clínicas médicas e academias especializadas da capital já é comum encontrar pessoas com mais de 65 anos puxando pesos e levantando barras de ferro.

Segundo o diretor do Instituto Lyon de Curitiba, Antônio Augusto de Arruda Silveira Júnior, que é cardiologista e geriatra, a partir dos 30 anos de idade, as pessoas perdem, a cada década, 10% da força física. Sendo assim, quando chegam aos 60 anos, possuem apenas 70% de suas funções musculares normais. “Isso faz com que as pessoas percam a capacidade de realizar normalmente suas atividades cotidianas. Muitos idosos não conseguem, por exemplo, levantar de uma cadeira sem o apoio de algo ou a ajuda de alguém, pois não possuem força muscular suficiente para isso”, afirma.

Dez por cento das causas de óbito entre representantes da terceira idade são devido a quedas. Elas acontecem por três fatores principais: tonturas causadas por quedas de pressão devido ao uso de certos tipos de medicamentos, perdas visuais e redução da força muscular. “No caso de quedas de pressão, normalmente a pessoa perde a consciência e não consegue se segurar. Porém quedas por perdas visuais podem ser evitadas ou menos maléficas se a pessoa tiver forças para se segurar”, explica o médico.

Os aparelhos utilizados por pessoas na terceira idade costumam ser iguais aos utilizados em academias comuns. Entretanto, na maioria das vezes, possuem apoios para evitar quedas. Antônio Augusto diz que, se os exercícios de musculação forem realizados três vezes por semana, os resultados começam a ser notados já depois de quarenta dias. O ideal é que os idosos realizem a atividade em academias, centros esportivos e clínicas especialmente voltadas a eles. “É importante que as pessoas façam os exercícios na companhia de pessoas da mesma faixa etária”, diz o cardiologista. “Assim, todos têm os mesmos propósitos e objetivos.” Segundo o médico, freqüentar a academia de musculação também contribui com a socialização do idoso, pois ele passa a conhecer pessoas e fazer novos amigos.

Idosos

Pessoas na terceira idade que praticam musculação comprovam os benefícios do exercício. A dona de casa Josephina Jacobes de Freitas, de 78 anos, conta que há um ano e meio chegou ao consultório de cardiologia sem poder andar devido a uma artrose nas pernas. Começou a fazer musculação e hoje se locomove normalmente, sem o apoio de bengala ou a ajuda de familiares. “Eu sempre tinha que ser carregada por meus filhos ou por meu marido”, lembra. “Não conseguia fazer os serviços de casa e outras atividades cotidianas.” Por causa disso, ela teve até depressão. “Hoje, me sinto uma pessoa nova e totalmente independente.”

Já Fernando Formagio, 63, conta que, há três anos, antes de começar a fazer musculação, tinha problemas de postura e sentia uma grande dor lombar. Com os exercícios, tudo foi resolvido. “Com a musculação, até minha pressão baixou”, conta. “Tenho muito mais auto-estima, disposição e bom humor.” Ele recomenda a atividade, ressaltando que sua qualidade de vida aumentou.