ms01061206.jpgTalvez a principal diferença entre o cuidado da saúde de crianças e adultos seja a existência do fator desenvolvimento. Este ?detalhe? requer uma atenção extra do profissional de saúde, pois as estruturas, tanto físicas quanto emocionais, quando afetadas durante a formação, determinam alterações para o resto da vida.

Sabe-se que o que somos é, em grande parte, o que vivemos até os sete anos de idade. Dieta inadequada, marcas emocionais ou uma saúde precária nessa fase podem ser os fatores provocadores de transtornos em fases avançadas da vida adulta.

Uma das maneiras de manter uma criança saudável é o uso da homeopatia. Não há limitação de idade para o tratamento homeopático. Ele pode ser usado, inclusive, em recém-nascidos ou gestantes.

A homeopatia é uma especialidade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) há 26 anos.  O método se baseia em fundamentos científicos e filosóficos, cujo principal deles é a ?Lei dos Semelhantes?, ou seja, trata-se a doença com medicamentos que provocam sinais e sintomas semelhantes no organismo do indivíduo sadio. Por meio de um processo muito particular, chamado dinamização, o medicamento estimula o que chamamos de ?energia vital? e que poderia ser denominado mais modernamente de homeostasia, ou seja, as reações biofisiológicas que conduzem no sentido da estabilidade da saúde.

Outra característica fundamental do tratamento homeopático é a individualização. Cada pessoa é tratada de modo particular, de acordo com características próprias de cada um. Uma consulta homeopática demanda tempo, pois, diferentemente da alopatia, onde se pode usar o mesmo antibiótico para tratar, por exemplo, vários tipos de pneumonias, a homeopatia também faz o diagnóstico medicamentoso além da investigação convencional da patologia. Essa investigação contempla a busca do remédio que irá atender determinada criança. Aquela que apresenta uma doença com sintomas particulares naquele momento da sua vida.

Durante uma febre, por exemplo, algumas crianças ficam abatidas, outras inquietas, irritadas ou chorosas. Por isso, é bem provável que os medicamentos homeopáticos indicados dificilmente sejam repetidos, afinal, mesmo que as doenças sejam iguais seus sintomas podem não ser. Isso faz com que os pais não devam usar medicamentos de outras crianças nos próprios filhos sem a devida prescrição médica.

Cícero Alaor Kluppel, especialista em homeopatia e acupuntura.