Em 25 anos, o número de diabéticos no mundo poderá dobrar. A previsão da Organização Mundial de Saúde (OMS) reflete um dos problemas que mais vêm preocupando médicos e nutrólogos: a obesidade infantil, que está se agravando com as mudanças no estilo de vida das crianças. Atualmente, o número de diabéticos soma 150 milhões de pessoas em todo o mundo.

Segundo o nutrólogo paranaense José Carlos Martins, uma criança obesa tem o dobro de chances de desenvolver diabetes. Ele conta que para prevenir o mal é preciso detectar o sobrepeso e fazer um controle alimentar orientado por um médico. “Além disso, é essencial incentivá-las a realizarem atividades físicas regulares”, completa.

Uma pesquisa realizada pela prefeitura de Curitiba, com 66 mil alunos da rede pública municipal, mostrou que em quatro anos houve um aumento de 25% no número de crianças com tendência a tornarem-se obesas. Em 1996, 14% das crianças em fase escolar apresentavam tendência para engordar. Em 2000, este percentual saltou para 18%.

De acordo com a Sociedade Americana de Nutrição Clínica, a obesidade infantil já atinge cerca de 30% da população infanto-juvenil do mundo. No Brasil, o número de crianças com este problema triplicou nos últimos 30 anos. Martins explica que o acesso da população a essas informações tem aumentado o número de consultas em seu consultório. “As pessoas estão reconhecendo alterações antes ignoradas e procurando a ajuda de especialistas”, explica. Segundo ele, essa maior procura por acompanhamento médico poderá modificar o quadro apresentado pela OMS.

Quanto à adoção de uma dieta saudável, o cooperado da Unimed afirma que a inclusão de carboidratos (arroz, feijão, batata, mandioca, soja), proteínas (carnes, leite e ovos), verduras, legumes e frutas nas refeições é muito importante. Já as gorduras, os refrigerantes e os doces devem ser consumidos com moderação. Outras dicas sobre como aderir à uma alimentação mais saudável podem ser encontradas no site www.unimedcuritiba.com.br.