O câncer de pele é a neoplasia de maior incidência no Brasil, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Seus números vêm crescendo assustadoramente no Brasil e no mundo.

O seu tipo mais grave, o melanoma, mata milhares de pessoas por ano. Trata-se do tipo de câncer mais comum no homem e o terceiro em incidência na mulher.

Atualmente, um falso mito sobre a doença vem sendo derrubado. Segundo a dermatologista Daniela Schmidt Pimentel, embora com uma incidência muito menor e ao contrário do que muitos imaginam, o câncer de pele também se manifesta em pessoas da raça negra, que costumam apresentar com maior frequência do que os brancos um tipo mais agressivo de câncer, chamado melanoma acral, que acomete as extremidades do corpo, como mãos e pés.

Esse tipo de câncer é pouco frequente entre os melanomas (de 2% a 8% dos casos de câncer de pele), porém, é mais comum entre as pessoas de pele negra. Esse dado surgiu de uma pesquisa – recentemente publicada pela Revista Archives of Dermatology – desenvolvida pelo Programa Nacional do Câncer nos Estados Unidos e que acompanhou mais de 1,4 mil pacientes com melanoma acral tratados em 17 centros de oncologia daquele país, entre os anos de 1986 e 2005. Os especialistas participantes do estudo avaliaram a incidência da doença e a taxa de sobrevida dos pacientes.

Diagnóstico precoce

Os resultados da pesquisa indicaram que a proporção de melanoma acrolentiginoso, em relação aos demais subtipos de melanomas, foi maior entre os negros – 36% dos pesquisados apresentavam o problema.

De acordo com o trabalho, os negros representam 10% dos casos de melanoma, com a localização mais comum sendo nas extremidades das mãos, região plantar e sob as unhas.

Os primeiros sinais surgem com manchas de cor castanho-enegrecida e bordas irregulares. E o período de evolução é de aproximadamente dois anos e meio, quando surgem elevações e nódulos.

O maior problema nos melanomas, de acordo com Daniela Pimentel, é a falta do diagnóstico precoce, uma vez que nem sempre o tratamento por radioterapia ou quimioterapia é efetivo.

O diagnóstico precoce por meio da dermatoscopia e o mapeamento corporal das lesões pigmentadas, além da cirurgia feita de modo correto e precoce ainda são as melhores armas contra a doença.

As pessoas que possuem pele negra têm uma vantagem em relação às pessoas mais claras na hora de ficar expostas ao sol. O motivo é a alta quantidade de melanina na pele, que funciona como um filtro solar natural, aumentando a resistência cutânea para algumas doenças, principalmente o câncer de pele. A pele negra também é mais firme e prorroga o aparecimento das rugas e marcas de expressão.

A dermatologista Fabiane Mulinari Brenner recomenda os mesmos cuidados necessários às pessoas de pele clara, quanto à exposição ao sol. “É preciso atentar para os horários de pico, usar bonés e utilizar o protetor solar com fator de proteção (FPS) 15 ou mais”, observa.

Foliculite

Segundo o dermatologista Valter Claudino, sem qualquer proteção, a pele negra perde o brilho, tornando-se opaca. Apesar das características benéficas que as pessoas com esse tipo de pele possuem, existem outros problemas mais comuns na raça negra que exigem cuidados especiais no verão.

Um deles é a foliculite – infecção na cavidade dos pêlos causada por fungos, que acometem principalmente as mulheres, que se depilam com mais freqüência no verão.

“Essa doença pode deixar seqüelas como cicatrizes altas e grossas, que na maioria das vezes ficam por toda a vida”, alerta o médico. As áreas mais atingidas são as axilas e a virilha, que após a depilação têm mais facilidade para o crescimento de pêlos encravados.

De acordo com Claudino, as lesões são avermelhadas, inflamatórias, endurecidas e freqüentemente com pus, devido à presença de bactérias. “Em casos isolados, o pêlo pode crescer internamente, podendo chegar à formação de cistos”, comenta.

Além dos cuidados redobrados p,or conta da exposição ao sol, deve-se prevenir também o aumento de cravos e espinhas, devido à pele negra ser mais oleosa do que as demais. O médico recomenda que a pele seja devidamente limpa, hidratada e protegida à base de protetor solar todos os dias, para que evite a formação de manchas.

Cuidados necessários

Para controlar todos os fatores que prejudicam a pele negra alguns cuidados devem ser tomados:

* Hidratação diária e intensiva da pele

* Retinóides para evitar formação de cravos e afinar a pele

* Hidroquinona para clarear as manchas deve ser usada com cuidado, porque se usada por muito tempo seguido pode causar manchas brancas definitiva

* Vitamina C associada aos tratamentos oferece menos irritação e uma maior melhora das manchas

* Proteção solar regular, já que existe uma tendência maior de manchas escuras

* Evitar produtos com veículo oleoso para face pela tendência que tem de formar cravos.