Os efeitos cumulativos dos raios solares aparecem com o tempo, por isso os cuidados devem
contemplar o ano todo.

A cada verão o mesmo tema preocupante é colocado em pauta: a falta de cuidado com a escolha dos óculos escuros pode causar danos na visão e levar à cegueira total. O principal vilão é o sol. Os modelos existentes no mercado servem para todos os gostos. Os tamanhos também. Eles podem até servir como adereço ou algum modismo e, até mesmo, disfarçar noites mal dormidas. Estas podem ser algumas das funções dos óculos escuros, no entanto a principal é mesmo a prevenção da saúde ocular, já que os raios UVA e UVB, mais intensos nessa época do ano, que são conhecidos por prejudicarem a pele, também agridem os olhos.

O oftalmologista Paulo Nocera, do Instituto de Oftalmologia de Curitiba (IOC), alerta que a maior exposição à luz solar e à radiação ultravioleta (UV) é nociva para a córnea, retina e o cristalino dos olhos. Entre os principais problemas causados pelo sol estão a degeneração da retina e a catarata, já que ambas podem levar a perda progressiva da visão. Além disso, o calor e a aglomeração de pessoas em piscinas e praias podem facilitar a incidência de conjuntivite. ?A utilização de óculos de sol e bonés são essenciais para prevenir esses problemas?, alerta Nocera. Segundo o médico, quem tem olhos claros deve redobrar os cuidados, pois possui menos pigmentos de cor, o que torna a visão ainda mais sensível.

Para a família

A oftalmologista Margery Hecke explica que os raios ultravioleta se subdividem em UVA – filtrados e absorvidos pela retina, e UVB – pelo cristalino. Ambos podem comprometer a visão se não houver a devida proteção. Dependendo da intensidade e duração da exposição aos raios solares, o efeito da radiação ultravioleta pode ser cumulativo e irreversível. ?Uma forma de proteção é o uso de óculos de sol que, preferencialmente, devem vir com certificado e garantia de qualidade?, frisa.

Indispensáveis em qualquer época, os óculos escuros costumam ganhar notoriedade nos dias quentes, especialmente porque a evolução do design os transformou em essenciais para compor um look elegante. Mas nunca é demais frisar que a falta de proteção ocular para se expor a raios ultravioletas – em qualquer estação do ano – gera problemas agudos ou crônicos. ?Agudo é um caso de queimadura de córnea e entre os crônicos aparecem catarata e degenerações da retina no fundo do olho?, lembra o oftalmologista Renato Neves.

A recomendação para usar óculos escuros vale para a família inteira. ?É muito importante que as crianças também utilizem a proteção, basta reparar nos seus olhos bem fechadinhos quando estão ao relento em dias claros?, reforça o médico, lembrando que a prevenção desde cedo bloqueia complicações futuras.

Lentes corretivas

O óptico Eric Gozlan também demonstra sua preocupação: ?Não basta que os óculos sejam escuros, eles precisam possuir um filtro solar que proteja os olhos?, ressalta. Conforme o especialista, a maioria das pessoas acaba cometendo o mesmo erro na hora de escolher um modelo. Muitos acreditam que quanto mais escura é a lente mais seguro é o óculos. Só que, no caso do acessório não ter o filtro, é mais danoso para o olho o seu uso do que ficar sem óculos. ?A lente escura dilata a pupila e com isso os raios penetram com maior intensidade?, observa Gozlan.

A proteção contra os raios solares também é fundamental para as pessoas que utilizam algum tipo de lente corretiva, seja via óculos tradicionais, seja via lentes de contato. No caso do emprego de óculos para correção (tanto faz se para miopia, astigmatismo ou hipermetropia), uma das alternativas são as lentes fotocromáticas, pois têm gradação de cor conforme a luminosidade. Outro recurso é acoplar por meio de um clipe lentes escuras sobre as normais da armação.

Quando a pessoa usa lentes de contato, os médicos mencionam que não há qualquer problema em colocar por cima os óculos escuros. ?É importante o uso regular, pois também assegura proteção contra vento e poeira, principais agentes causadores de infecções?, acrescenta Renato Neves.

Controle de qualidade

O gerente de negócios da Indústria Geral de Aparelhos e Lentes (Igal) Luís Ricco, sugere ao consumidor procurar marcas renomadas. "Os óculos europeus importados passam por processos normativos da União Européia de altíssimo padrão de exigência para filtros solares", esclarece. Em contrapartida, a crescente opção de consumidores brasileiros por grifes conhecidas tem levado ao aumento das falsificações. O oftalmologista Renato Neves pede cautela e "que se desconfie de óculos muito baratos." Ele lembra de uma lei que obriga todas as ópticas a possuir um detector de ultravioleta. "Infelizmente a lei não "pegou" e nem todos os estabelecimentos dispõem do equipamento", reclama.

Escolhendo os óculos escuros

* Os melhores óculos são os que diminuem a luz visível a níveis confortáveis, bloqueando quase 100% os raios UV, que são invisíveis.

* O melhor é escolher lentes cinzas, verdes ou marrons, pois filtram de 75% a 90% da luz visível. Porém, vale esclarecer que a cor da lente nada tem a ver com a intensidade da proteção. O que importa é a película protetora.

* Em nenhuma hipótese as lentes podem distorcer as imagens ou mudar as cores.

* Opte por modelos maiores, que cubram bem a área dos olhos.

* Sempre compre óculos escuros em lojas onde haja garantias atestadas do produto. Óculos baratos podem sair caro