A vida moderna tem trazido às pessoas diversos avanços e facilidades, mas também tem causado incontáveis danos à saúde desses indivíduos. A poluição do ar, o estresse, o fumo, tudo isso tem contribuído cada vez mais para o aumento do câncer de pulmão que, segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), apresenta um crescimento de 2% ao ano em sua incidência mundial, sendo o quarto mais comum dos tumores malignos (são previstos 27 mil novos casos em 2006). Em torno de 90% dos casos diagnosticados, a doença está associada ao consumo de derivados de tabaco. Resultados conclusivos de pesquisas comprovando que a quimioterapia pode prolongar, de maneira significativa, a vida de muitos pacientes, está mudando pela primeira vez, em décadas, o tratamento do câncer de pulmão. 

Dois estudos publicados recentemente mostraram melhoras na vida de pacientes que receberam quimioterapia adjutória, o que significa que os remédios foram dados depois da cirurgia. Um deles, coordenado por Timothy Winton, cirurgião da Universidade de Alberta, reuniu 482 pacientes no Canadá e EUA. Os resultados indicaram que 69% dos pacientes que passaram pela cirurgia e quimioterapia ainda estavam vivos cinco anos depois, comparados com apenas 54% daqueles que foram submetidos somente à cirurgia. Os pacientes receberam uma combinação de dois medicamentos, cisplatina e vinorelbine.

?O câncer de pulmão é a carcinogênese mais complexa. É altamente letal. A sobrevida média mundial em cinco anos é em torno de 11% (segundo dados do INCA)?, afirma Dr. José Renan Queiroz Guimarães, médico oncologista clínico do Hospital da Beneficência Portuguesa e médico associado ao Centro de Hematologia e Oncologia do Hospital Samaritano, ambos em São Paulo. Os primeiros sinais da doença são emagrecimento, fadiga, falta de ar, tosse incoercível e seca, além de escarro hemoptóico ? que apresenta nódoas de sangue, semelhante ao expelido por pacientes com tuberculose. Para se detectar o câncer de pulmão são feitos exames como broncoscopia, biópsias, tomografia e raio X de tórax.

Para entender o que é o câncer, primeiramente é preciso entender como é o ciclo de vida de uma célula normal. Células saudáveis crescem, se dividem e morrem (apoptose), mantendo, assim, o corpo funcionando adequadamente. Porém, algumas vezes, surgem e se desenvolvem células novas e não necessárias. Essas células formam agrupamento denominado tumor. O tumor maligno é o que chamamos de câncer, que na grande maioria das vezes acarreta comportamento metastático (disseminação do processo neoplasico).

Grosseiramente podemos dividir o câncer de pulmão em dois grandes grupos: câncer de células não-pequenas (não-oat cell) e o de células pequenas (oat cell). O câncer não-oat cell tem uma freqüência de 70% e divide-se nos subtipos adenocarcinoma, que é o mais comum, carcinoma bronquíolo-alveolar e carcinoma epidermóide, que está relacionado ao tabagismo, etc. Já o câncer oat cell ocorre com uma freqüência de 30%, é mais quimiosensível, permitindo uma abordagem não-cirúrgica, e se subdivide em doença localizada e doença disseminada.

O tratamento não-cirúrgico, na maioria dos casos, consiste na poliquimioterapia, ou seja, uma combinação de medicamentos. A Libbs Farmacêutica possui uma linha completa de quimioterápicos, entre eles, o paclitaxel e a caboplatina, indicados para o tratamento do câncer de pulmão. Sua eficácia foi mais uma vez confirmada no último ECCO (The European Cancer Conference), realizado em Paris. ?A quimioterapia ainda causa incômodos como a perda de pêlos e as náuseas, mas as intensas pesquisas sobre a doença levaram a grandes evoluções quanto à prevenção, diagnóstico e tratamento, inclusive para a diminuição da dor e dos efeitos colaterais e para o aumento da defesa na pós-quimioterapia?, comenta o médico.

Para definir se o tratamento será a quimioterapia ou a cirurgia, realiza-se o estadiamento, ou seja, a classificação da doença do estágio de evolução mais localizado (restrito ao pulmão) para o mais disseminado (se atingiu outros órgãos e tecidos). ?Os estadiamentos 1 e 2 são tratados apenas com cirurgia. O estadiamento 3B requer a chamada quimioterapia neo-adjuvante, ou seja, a quimioterapia primária que torna a neoplasia ?operável?. Já no estadiamento 4, há um comprometimento metastático, isto é, o câncer já atingiu outros tecidos. Nesse caso, a quimioterapia é paliativa, empregada apenas para controlar os sintomas e a proliferação das células cancerosas. Quando há comprometimento metastático do câncer de pulmão, a doença costuma atingir o cérebro, a glândula supra-renal, o fígado e os ossos, daí a necessidade do diagnóstico precoce?, esclarece Dr. Renan.

O oncologista alerta, ainda, que é importante o acompanhamento médico mesmo depois do tratamento, para se detectar alterações no estado de saúde do paciente e para que se possa ter certeza de que não houve reincidência da doença. Um acompanhamento emocional também é recomendado durante e após o tratamento.

Proibido fumar

Existem diversos fatores responsáveis por causar o câncer de pulmão, mas o fumo é o principal deles. Por causa da vida estressante e competitiva que se leva nos dias de hoje, as pessoas vêm recorrendo cada vez mais ao cigarro como válvula de escape. A probabilidade de se desenvolver câncer pulmonar será maior ou menor dependendo da idade em que se começa a fumar, do número de cigarros que se fuma por dia e quão profundamente o fumante inala a fumaça. O cigarro é tão prejudicial que até mesmo os chamados fumantes passivos têm chances de desenvolver a doença. Parar de fumar, portanto, trará benefícios não só à saúde dos próprios fumantes, mas também à de todos os que fumam mesmo sem querer.