O ressecamento da pele é um dos fatores que mais contribuem para a piora da dermatite atópica, inflamação de pele não contagiosa, de origem hereditária, que acomete principalmente as crianças, atingindo de 5% a 10% delas ? dados recentes indicam que sua incidência está crescendo a cada ano.

Durante o inverno, a exposião ao clima seco e a banhos mais longos e quentes faz com que se acentue o ressecamento da pele, tornando-a mais vulnerável ao aparecimento da dermatite, por causa da facilidade de penetração de substâncias irritantes do meio ambiente. Poeira, produtos de limpeza e de higiene pessoal, além de bactérias, são alguns exemplos de fatores desencadeadores. O resultado é vermelhidão e coceira intensas, por vezes fissuras nas dobras de pernas e braços, rosto, mãos e pés.

Todos esses fatores associados atrapalham o sono e o desempenho na escola ou no trabalho, causando irritabilidade constante e prejudicando a saúde física e mental dos pacientes. Daí a importância do tratamento.

Segundo estudo publicado no Journal of Dermatology Treatment, pacientes com eczemas ou outras patologias cutâneas que tornam a pele seca devem utilizar produtos com característica emoliente. Segundo M.J. Cork, autor do estudo, essa qualidade adicional pode fazer a diferença na hora de o paciente aderir ou não a um tratamento dermatológico.

?A dermatite atópica é um problema crônico e suas manifestaões têm intensidade variável. Por isso, o tratamento pode envolver desde simples emolientes, cuidados com a higiene e ambiente, até drogas imunossupressoras como os corticoesteróides, também conhecidos como corticóides?, explica a Dra. Flavia Addor, colaboradora do serviço de Dermatologia da Universidade de Santo Amaro UNISA e sócia fundadora da Medcin ? Instituto da Pele, em São Paulo.

Conforme explica o Dr. Celso Tavares Sodré, professor de Dermatologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e coordenador na Residência em Dermatologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho mesma universidade, ?os corticóides têm receptores celulares que permitem ao medicamento reprimir os elementos responsáveis pela reaão inflamatória.

Desse modo, têm ação imunossupressora ampla, atuando em diversas células e em outros fatores que influenciam a resposta imunológica, como as citocinas?.

Uma opão de tratamento disponível no mercado é o furoato de mometasona, um corticóide tópico que possui alto perfil de segurança e rapidez no alívio dos sintomas, facilitando a adesão ao uso e contribuindo para o sucesso do tratamento.

?Esse medicamento demonstrou em estudos clínicos ter uma baixa absorão sistêmica, ou seja, é pouco absorvido pela corrente sangínea, embora seja um corticóide de média a alta potência. Outra vantagem que apresenta em relação a outros produtos é o fato de apresentar poucos relatos de sensibilização?, comenta a Dra. Flavia.

Produzido no Brasil pela Libbs Farmacêutica, o medicamento possui as apresentaões creme e pomada, e é indicado para o tratamento da dermatite atópica, entre outras afecções dermatológicas, aliviando o prurido e a ardência. O veículo desenvolvido tem capacidade hidratante e boa aceitabilidade cosmética, facilitando a adesão do paciente ao tratamento.

Além da utilização de corticóides tópicos, os especialistas recomendam algumas medidas que podem ser úteis para amenizar os sintomas ou prevenir o aparecimento de outras crises. Tomar banhos menos demorados e mornos; utilizar hidratantes e sabonetes neutros; hidratar o corpo logo após o banho, para repor a oleosidade perdida; não usar buchas; evitar roupas de tecido sintético, que abafam a pele; manter a casa arejada e livre da poeira são alguns hábitos que auxiliam no tratamento da doença.

Tira-dúvidas da dermatite atópica

Quando o assunto é problema de saúde, o paciente chega a ficar perdido, tantas são as dúvidas relacionadas  à doença de que é portador. Abaixo, relacionamos perguntas freqüentes relacionadas à dermatite atópica.

O que é atopia?

É o termo que designa as alergias que se manifestam principalmente no sistema respiratório (rinite, asma) e na pele (dermatite ou eczema).

Como a atopia aparece?

A tendência para desenvolver atopia é congênita, e vai depender da interação do indivíduo com o ambiente (ar, alimentos, infecções, clima e até relacionamentos afetivos).

A criança vai ter dermatite atópica para sempre?

A doença aparece geralmente no início da primeira infância, mas costuma melhorar antes da puberdade. Podem ocorrer algumas crises ao longo da vida, mas com o tratamento adequado é possível controlá-las.

O que pode desencadear uma crise?

Os fatores mais comuns são o ressecamento e as infecões da pele. Nos bebês, ambientes muito abafados e o suor provocam a coceira e podem iniciar uma crise.

Existe cura para a dermatite atópica?

Ainda não existem tratamentos que curam a dermatite atópica, mas há o controle gradual das crises até seu desaparecimento. Combater o ressecamento da pele, controlar o prurido e combater a infecção são medidas básicas para controlar as crises.

Por que tratar?

Essa doença de pele causa lesões na pele que levam a infecções e ao prurido constante, que abalam a saúde do organismo como um todo. Além disso, as lesões são um problema estético que pode afetar o desenvolvimento psíquico do indivíduo.