Apesar de o Brasil bater recordes de produção de soja, o grão ainda é pouco utilizado na alimentação do brasileiro. A observação é do presidente do Grupo de Assistência às Pessoas com Câncer (GAPC), Paulo Roberto Avanzi, que enumera os diversos benefícios do grão. “A soja é comprovadamente benéfica para a saúde, segundo estudos e pesquisas. Algumas propriedades são capazes até de prevenir o surgimento do câncer”, revela. No caso de pacientes que se submetem à quimioterapia, o grão tem o poder de amenizar a dor.

“As isoflavonas são apontadas como os principais compostos presentes na soja, capazes de inibir e prevenir o aparecimento de vários tipos de câncer”, diz. Segundo ele, existe eficácia comprovada no caso de câncer de próstata.

Embrapa

Graças a uma parceria com a Embrapa de Londrina, o GAPC incluiu há dois meses a soja na cesta básica que é distribuída mensalmente às famílias carentes. Cada família recebe dois quilos do grão e orientação de como acrescentá-lo na alimentação. “A gente ensina a fazer o kinako, que é a soja torrada e moída. Depois disso, a pessoa pode colocar o produto na comida, no leite”, conta. O GAPC atende cerca de 70 famílias.

Além da cesta básica, a entidade fornece medicamentos aos pacientes, no tratamento pós-hospitalar. O grupo existe há um ano em Curitiba e está instalado atualmente em 21 cidades do Brasil. Surgiu em São José dos Campos (SP), em junho de 2001, e sobrevive de doações.

Sem enjôos

A dona de casa Márcia J.V. de Lara, 43, conta que o filho Vagner Henrique, 20, tinha muitos enjôos. Com câncer no testículo direito, o garoto foi submetido à cirurgia em junho do ano passado. “Ele fazia quimioterapia e sentia muito enjôo. Chegava a tomar três vidros de Plasil por semana”, conta a mãe do rapaz. Há cerca de dois meses, ela passou a acrescentar o kinako nos alimentos, desde o café, até bolinho e outras comidas. “Há um mês e meio ele não toma mais remédio contra enjôo”, diz Márcia.

Edite Paixão Teixeira, 62 anos, acometida pelo câncer de mama, também aprova o uso da soja, mas de forma moderada. “Nunca soube lidar com a soja. Cozinho como se fosse feijão e depois bato no liqüidificador e bebo. Não tomo todos os dias porque enjoa”, diz. Segundo ela, o produto faz com que a náusea desapareça.

Serviço

– Quem quiser entrar em contato com o GAPC, para informações ou fazer doações, pode ligar para (41) 3024-6647. O endereço é Rua Antônio Meirelles Sobrinho, 621, Cajuru, Curitiba.