Foi inaugurado no bairro de Vila Mariana, na zona sul da capital paulista, o serviço ambulatorial especializado em tratamento de alterações ósseas em pacientes infectados pelo vírus HIV.

Segundo a infectologista Gisele Gosuen, responsável pelo ambulatório, estima-se que 15% dos soropositivos apresentam perda de resistência óssea (osteoporose) e 52% desenvolvem diminuição da densidade mineral óssea (osteopenia).

Além disso, em virtude de um processo de desmineralização por deficiência de vitamina D, observa-se também entre os pacientes a incidência de casos de perda de consistência óssea (osteomalácia).

“Vários fatores estão envolvidos na ocorrência de alterações ósseas em pacientes infectados pelo HIV, tais como o tempo de infecção, idade avançada, baixo peso, tabagismo, raça branca, sexo feminino, valor da carga viral, além de usos de medicamentos – entre eles estavudina e tenovofir – e corticoides”, ressalta a médica.

Solange Spigliatti