Verão é sinônimo de sol, mar e piscina. Com isso, alguns cuidados com a saúde devem ser redobrados. A água do mar e da piscina, muitas vezes contaminada, pode trazer fungos e bactérias causadores de otites – infecções e inflamações do ouvido.

As otites, que podem acometer tanto crianças quanto adultos, têm incidência 70% maior nessa época do ano. "O contato excessivo do ouvido com a água do mar e da piscina pode retirar a sua proteção, além de provocar a necessidade de secá-lo constantemente, e isso pode causar escoriações que facilitam a entrada de bactérias e fungos", afirma o otorrinolaringologista do Hospital Iguaçu, dr. Maurício Buschle.

Dor, coceira, secreção, tontura, zumbido e diminuição da audição são os principais sintomas que podem indicar uma inflamação ou infecção do ouvido.  "A melhor prevenção é procurar um médico logo que se note algum sintoma diferente", reforça o otorrinolaringologista.

Para prevenir esses problemas, deve-se evitar longos períodos na água e secar os ouvidos com toalha macia ou com secador de cabelos. O tratamento é feito com a limpeza do ouvido, sempre feita pelo otorrinolarigologista, e com o uso de medicamentos. 

Crianças

As crianças costumam apresentar mais o problema. "Nas crianças ocorre mais porque elas mergulham e pulam muito, o que facilita a entrada da água no ouvido", explica o pediatra da Maternidade Curitiba, Dr. Frauzemar Santos Lopes.

Já que não tem como segurar a criançada nessa época, o ideal é que os pais fiquem atentos para que não mergulhem tanto. "Depois da piscina ou mar, seque o ouvido da criança. Pode usar cotonete, mas apenas na parte externa", ensina o pediatra. Se mesmo assim a otite persistir, o ideal é procurar um especialista e verificar se a infecção é externa ou interna.