Na próxima sexta-feira (27/11/2020) lojas e prestadores de serviços estarão focados na oferta de descontos dos mais diversos tipos; é a famosa Black Friday. Mas será que a Black Friday brasileira realmente vale a pena? A resposta é: DEPENDE!

No meu Instagram Amigo de Negócios, e em minhas consultorias e mentorias sobre Organização Financeira, sempre destaco a importância do consumo consciente. Precisamos criar uma consciência de inteligência financeira para que o consumo e as dívidas não nos impeçam de viver.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o percentual de famílias endividadas no Brasil chega a 66,5%; e dessas, 78,9% são relacionados a cartão de crédito por pura falta de educação financeira e consumo desenfreado sem planejamento.

Imagem de Markéta Machová por Pixabay

É claro que muitos descontos e propagandas da Black Friday são atrativos fortes para as pessoas se jogarem ao consumo. E, é por isso que hoje quero deixar a você leitor do meu Blog Amigo de Negócios, algumas dicas importantes para que não caia em dívidas e acabe fazendo da Back Friday uma vilã de suas finanças:

Dica 1: Primeiramente, veja se você está no momento de gastar, consumir. Se você está endividado ou não tem sua reserva de emergência, aconselho a não se envolver com a Black Friday. Focar em quitar as dividas ou formar a reserva deve ser a primeira meta financeira.

Dica 2: Veja se aquele produto atrativo da Black Friday realmente é essencial e importante para seu dia a dia, ou que vá realmente facilitar sua vida. Muitas dividas iniciam pelo consumo desenfreado e sem planejamento, por puro ego ou impulso.

Se realizarmos uma varredura minuciosa em nossa casa, veremos que consumimos muito mais do que necessitamos, ou seja, há diversos produtos que estão parados pelo consumo impulsivo que podem inclusive gerar uma renda extra. Venda!

Dica 3: Analise, pesquise, veja se realmente o desconto é real. Algumas empresas acabam oferecendo descontos a partir de um valor desconhecido pelo consumidor. Verificar quanto custa em dias normais, pesquisar em lojas e prestadores de serviços do mesmo seguimento, podem ser o ponto chave para bons negócios.

Dica 4: Não olhe seu cartão de crédito como uma renda extra. O cartão de crédito nada mais é do que uma ferramenta para facilitar a compra. Lembre-se que a dívida do cartão fará parte das suas despesas dos meses seguintes.

VEJA TAMBÉM: Claudia Silvano, Diretora do Procon-PR, traz algumas dicas para aproveitar a Black Friday

É como eu sempre digo: cada ato, cada pequena ação, cada gesto realizado no seu dia a dia, acaba afetando seu bolso e seu dinheiro. EQUILIBRIO e CONSCIÊNCIA são as duas palavras chaves que devem nortear suas ações de consumidor na Black Friday.

Meu nome é Marlon Roza, sou seu Amigo de Negócios.