É fato que na atual conjuntura brasileira, investir é um jogo de xadrez, seja para aqueles que estão na fase do endividamento, mas que precisam mudar o pensamento rumo aos investimentos para não mais viver este pesadelo das dívidas, seja para aqueles que querem aumentar o patrimônio rumo a independência financeira.

Investir não é tão fácil, mas também não pode ser visto como um bicho de sete cabeças. Você precisa estar próximo ao conhecimento, seja ao lado de um mentor ou consultor, seja estudando a todo instante para tomar as melhores decisões.

Nas redes sociais do Amigo de Negócio sempre me questionam sobre como iniciar os investimentos com pouco dinheiro; e posso afirmar, existem estratégias bem interessantes para você fazer do jeito certo, vale a pena conferir:

Primeiro passo – SAIR DAS DÍVIDAS: É clichê e já destaquei em outros artigos. É óbvio que a organização financeira é o primeiro passo para começar a investir. Caso você tenha foco, consiga realizar renda extra ou tenha valores disponíveis para as dívidas de forma ordeira, já pode iniciar os investimentos. Sugiro designar de 20% a 30% de suas receitas, para que não comprometa o seu orçamento.

Leia também: Passo a passo para você montar a sua planilha de organização financeira

Segundo passo – MUDANÇA DO MINDSET: Olhar para os rendimentos como algo sólido, perene, que eleve sua condição de vida, é essencial. Não se pode dar passos maiores do que você pode, por isso, faça tudo no tempo certo. Ganhos consistentes são a médio e longo prazo; não é porque você conhece alguém que esteja ganhando bem com investimentos, traders, ou outras mesmo outras ferramentas financeiras, que acontecerá o mesmo contigo. Tudo é questão de processos e processos levam tempo.

É importante que você pense no estado presente e não no futuro. Ficar almejando a riqueza como único foco antes de iniciar os processos para conhecer os bons investimentos, antes de ter qualidade de vida, de aprender, não te ajudará a encontrar os melhores resultados. Paciência, valorize o tempo e os processos; a médio e longo prazo se surpreenderá.

Ah! Importante também é transformar os “possíveis eventos imprevisíveis” em previsíveis. Você já sabe as possibilidades de problemas que pode enfrentar ou que alguém próximo a ti enfrentou, então os sinais já estão à sua frente. Para você se prevenir de tudo isso você precisa montar a sua Reserva de Emergência ou Reserva de Oportunidades.

Leia também: Tudo que você precisa saber sobre Reserva de Emergência

Terceiro passo – COMO INVESTIR. Qual o local ou melhor ambiente para você investir? CORRETORA! E, por que a corretora é melhor? Porque ela existe justamente para apresentar uma gama de produtos para te manter ativo nos investimentos. As corretoras além de trazerem produtos, a maioria te isenta de taxas que pode ser a chave crucial da rentabilidade.

Você abrindo uma conta em corretora já consegue fazer a análise do seu perfil e ter uma gama de opções para você iniciar ou melhorar sua carteira de investimentos.

Leia também: Como montar minha carteira de investimentos?

Quarto passo – CONTA DIGITAL: Lembre-se que se você tiver apenas uma conta corrente ou poupança em um dos “bancões” (aqueles tradicionais bancos), você terá que realizar uma TED para transferir valores as corretoras para realizar os investimentos, isto porque as corretoras ainda não utilizam PIX, então terá que pagar taxa pela TED. Por isso, talvez a melhor opção seja você ter conta em bancos digitais que não cobram taxa por TED realizada. Pesquise!

Leia também: Banco digital x banco tradicional: qual deles é mais vantajoso?

Para você adquirir ações, por exemplo, você pode começar por R$1 no mercado fracionário, então não há desculpas para iniciar os investimentos. O importante é você ESTUDAR, realizar leituras, assistir vídeos do canal Amigo de Negócios e estar antenado as novidades e os assuntos financeiros.

Meu nome é Marlon Roza, sou seu Amigo de Negócios