Relutei alguns meses para escrever esta matéria, pois acredito ainda ser um assunto bem complexo e tentador aos olhos de um povo que necessidade de inovação e sonha com uma vida diferente para seu dia a dia. Mas…

Bem-vindo ao mundo blockchain das criptomoedas!

É fato que hoje você abre suas redes sociais, liga a televisão ou até mesmo abre seu e-mail, logo algo referente a criptomoedas está em destaque, afinal existem mais de 5mil tipos de criptomoedas no mundo, número muito superior ao de moedas emitidas por governos em todo planeta.

O motivo do meu receio em tocar no assunto referente a moedas digitais é porque logo surge a seguinte pergunta: É verdade que eu posso ficar rico com criptomoedas, com a bitcoin? Muitos realmente enriqueceram quando adquiriram as criptos no decorrer da sua recente história, mas nunca foi tão simples assim.

Desta forma, assim como faço no meu Instagram do Amigo de Negócios, no artigo de hoje quero explicar um pouco mais sobre a mais famosa das criptomoedas, o Bitcoin.

Bitcoin é uma moeda digital, uma criptomoeda, que não precisa de qualquer intermediário para suas transações, ou seja, você pode transferir a outra(s) pessoa(s) sem precisar de um banco para que elas se efetivem.

A ideia da criação da moeda digital surgiu mesmo para descentralizar o sistema, não depender de um único lugar para realizar as transações e armazenagem, como um banco, um sistema menos burocrático (Será o fim dos bancos? Confesso que ainda é muito cedo para responder tal pergunta).

Leia também: Banco digital x banco tradicional: qual deles é mais vantajoso?

Quando falamos em descentralização do sistema não é perder em segurança, mas sim dividir individualmente este tema. Um sistema descentralizado é super seguro, pois é a partir da autonomia individual que ela acontece, cada indivíduo pode fiscalizar e cuida das suas próprias moedas.

É importante também dimensionar que uma criptomoeda, como é o caso da bitcoin, não é equivalente a R$1,00 ou U$1,00, mas depende de variáveis para precifica-la no sistema. Uma criptomoeda, como bitcoin, por exemplo, pode ser fracionada em até um milhão de vezes chegando a ficar da seguinte forma: 0,0000001 bitcoins.

Seu sistema funciona da seguinte forma:

  • A rede de bitcoin é um grande ecossistema composto por quem faz negociações de compra, venda e aqueles que trabalham para continuar a crescer o sistema.
  • Quem trabalha nessas redes são os chamados mineradores
  • Existe um número limitado dessas moedas digitais. Satoshi Nakamoto, criador da bitcoin, lançou no mercado a quantia máxima de 21 milhões de bitcoins, o que fortaleceu o conceito de escassez da demanda, ou seja, da oferta e procura.
  • A bitcoin é uma moeda deflacionária, pois ela não tem tendência de perda de valor como real ou dólar, no máximo o que pode acontecer é baixar ou subir o seu preço devido a sua escassez no mercado e devido algumas empresas já aceitarem ou estudarem a possibilidade de negociação através dessa moeda digital, empresas como TESLA e Amazon.

A bitcoin é comparada com o ouro, inclusive carinhosamente chamada de ouro digital, pois ela tem em sua essência a escassez igual a uma pepita de ouro em determinada mineradora; inclusive por isso que os trabalhadores desse ecossistema carregam o nome de mineradores.

Imagem de Лечение Наркомании por Pixabay

Já os mineradores são os agentes que trabalham com grandes computadores resolvendo “problemas matemáticos”, isto é, resolvem problemas de logaritmos das transações que serão registrados em blockchain (imagine uma mina de ouro e esses blocos são os pedacinhos da parede que você procura o ouro escasso, é similar a isso).

Curiosidade: quando o minerador resolve este problema matemático ele ganha uma comissão em Satoshi, valores após a vírgula (ex.: 0,001 Satoshi). Ao resolver este problema matemático fecha-se o bloco de transações (blockchain) e abre-se um novo bloco com novas transações que surgiram. Complicado né?! O objetivo deste artigo é trazer apenas um panorama geral da criptomoeda, pois é realmente um ecossistema novo para o que estamos há séculos acostumados a ver e trabalhar.

Sobre o blockchain, é importante destacar que além de serem criptografados, contem “apenas algumas” transações em bitcoins, o que o torna ainda mais seguro no combate a invasões de hackers. É como você guardar o dinheiro que ganhou pela venda de um produto em uma gaveta do seu guarda-roupas, o dinheiro que você ganhou da venda de outro produto no armário da cozinha, e assim por diante, se alguém adentrar a sua casa não terá facilidade de encontrar todo o dinheiro de sua propriedade.

Uma grande vantagem desse sistema é a não dependência de uma única rede, como por exemplo o banco, e nem do lastro governamental (Imagine se um morador da Venezuela ou qualquer país em crise avassaladora tiver bitcoin, ele não será refém da economia quebrada ou da desvalorização da moeda do seu país).

E como comprar Bitcoin:
A) Hoje existem corretoras que trabalham com transações de criptomoedas que você pode negociar 24h por dia.
B) Você também pode abrir uma carteira digital e receber de pessoa física. É algo pouco comum devido a falta de conhecimento do brasileiro, mas já é possível. Ah! O legal dessa carteira digital é que você pode acessar sua criptomoeda por um Wallets (como se fosse um pendrive com chave aleatória ou um token de banco), é como se fosse uma chave eletrônica que você utiliza para abrir a porta do hotel.
C) Você também pode se tornar um minerador, mas para isso você terá que gastar um pouco mais de dinheiro para adquirir um computador super potente / com um processador de excelência para poder resolver os “problemas matemáticos”.

Sei que o tema é complexo, mas era importante a reflexão do contexto geral para entenderem a volatilidade / variação da moeda e seu sistema, para entenderem que o risco de perda de dinheiro pode ser bem grande.

Quando dou mentoria de financeira aos meus clientes, sempre destaco a importância de diversificar as aplicações, sugerindo não mais do que 5% do valor da carteira antifrágil para este tipo de investimento.

Portanto, para você que está iniciando o olhar para as questões financeiras da sua vida, não deixe de inicialmente criar sua reserva de emergência, aprender a aplicar em investimentos de renda fixa e variável, para só depois, com maior conhecimento, partir em direção as criptomoedas e assim não terminar com sua saúde financeira.

Leia também: Tudo que você precisa saber sobre Reserva de Emergência

Meu nome é Marlon Roza, sou seu “Amigo de Negócios”.