A simples narração dos fatos não conta uma história. É que por serem frios, precisam ser motivados por sentimentos. Bem por isso, para um escritor não basta ter uma boa história para contar. É preciso contá-la com a sensibilidade intensa que o dono da história merece. Se não viveu toda a época dos fatos, o escritor tem que pesquisar as razões e, a partir delas, imaginá-los. É, aí, que a pena precisa ganhar a carga de sentimentos para contar a história.

O jornalista Sandro Moser conquistou o acesso a um dos mundos mais cheio de enigmas do futebol paranaense: o de Barcímio Sicupira Júnior, o maior artilheiro da história do clube mais popular do Paraná, o Athletico. O resultado está na biografia “Sicupira – Vida e gols de um craque chamado Barcímio”.

O livro não conta a história de Sicupira apenas sob o ponto de vista dos atleticanos. Se o núcleo é a passagem do Craque da Camisa 8 pelo Furacão, foi porque não há como dissociar um do outro. É um dos raros casos do futebol em que o passado parece que foi ontem.

Mas, antes, conta os testes de Sicupira para jogar no Coritiba, a projeção no Ferroviário, passa por sua glória de jogar, e muito bem, com Nilton Santos, Garrincha, Didi e Gérson, no Botafogo, o significado para um ídolo do Athletico ser rival do Coritiba, em uma cidade dividida pelas duas paixões, as suas alegrias e as suas tristezas, expondo coisas só guardadas pelo coração.

Enfim, conta a história de uma vida cuja intensidade parece que nunca irá terminar.

A escrita sensível do autor relata as passagens de um mundo, que nós pensamos conhecê-lo por inteiro, e não sabemos nem a metade. O leitor irá comprar um livro, mas, terá uma obra.

De quebra, o curitibano, e atleticano, Moser, marca um golaço, como uma bicicleta de Sicupira, para o Athletico, na literatura Atletiba.

O lançamento será, agora, dia 3 de outubro, sábado, em evento no esquema drive-in, com distanciamento social, na Pedreira Paulo Leminski. Absolutamente imperdível.

*Saiba como comprar o livro e ir ao lançamento.

+ Mais de Augusto Mafuz

+ Furacão: vitória com empate
+ Furacão, um empate e um abraço
+ Santos ou santo?