O doutor Luiz Sallim Emed tinha tudo para ser um bom presidente do Atlético. Por ser médico, presumia-se ter um bom preparo intelectual para as coisas gerais da vida. Atleticano de raiz, estava legitimado para exercer o cargo. Protegido por Mário Celso Petraglia, não tinha com o que se preocupar na administração do clube.

Mas o texto “Palavra do Presidente”, que está publicado no site oficial do Atlético, desmonta toda a base dessa ideia.

Presunçoso, sem saber como se usa a analogia, compara-se a Napoleão Bonaparte. Pretensioso como narrador, utiliza-se do pronome “nós”, para se afastar de um estágio secundário, e se igualar aos atleticanos históricos que fizeram esse majestoso Atlético.

Descontrolado, transforma vaidade em ódio, e destila-o contra 45% da torcida que lhe foi oposição e contra a imprensa escrita – por “escrever bobagens”. Ignorando os critérios mais primitivos de um texto, acaba reduzindo Mário Celso Petraglia a um “ajudante”, imprimindo uma ofensa a quem cortou ao meio a história do Furacão.

Nem Dilma escreveria pior.

Milagres

O doutor Alceni Guerra tinha tudo para ser um bom dirigente do Coritiba. Político profissional, aprendeu todas as variações de administração do interesse público. Sem querer fraquejar pela ingenuidade, sempre quis mostrar ser inteligente.

Quando Ministro da Saúde de Collor, praticou o milagre da “multiplicação das bicicletas”. Se desse certo, mandaria para o pé de página a “multiplicação dos pães”, que certo Senhor fez às margens do Mar da Galiléia.

Mas, às vezes, o doutor Alceni parece pensar que o Coritiba é a “Casa do Pedro”. Pretensioso, quer descobrir o segredo da felicidade para o grande clube.

Agora, aproveitando-se da pouca sabedoria de futebol do Bacellar, quer trazer Ronaldinho Gaúcho. Motivo: quer praticar o milagre da “multiplicação das camisas” e estufar as contas do Coritiba.

Há um erro na ideia. Ninguém perguntou a Carpegiani se ele quer Ronaldinho como jogador – e se Ronaldinho vai jogar. Ninguém perguntou aos jogadores, em especial a Kléber, se será preciso Ronaldinho trabalhar e correr como eles.

Nem o doutor Luiz Sallim Emed faria pior.